O Mico das Espécies Invasoras

Combater as espécies invasoras, como são conhecidas, é uma missão árdua. Levadas para ambientes onde não têm predadores, elas proliferam e se tornam um pesadelo para plantas e animais nativos - inclusive espécies ameaçadas de extinção. Os invasores caçam espécies nativas e competem com elas por alimento e espaço.
É difícil controlar as espécies invasoras. Elas quase sempre são introduzidas - inadvertidamente ou não - pelo homem. E a maioria das pessoas desconhece que aquelas plantas e animais tão bonitos tenham se tornado uma ameaça ambiental. Não são todos que entendem, por exemplo, que no Rio de Janeiro saguis precisam ser capturados e removidos para locais onde não representarão uma ameaça a outras espécies. Ou que gatos domésticos não devem andar por florestas.Até o final do ano, pesquisadores brasileiros vão começar a retirar grupos de mico-leão-de-cara-dourada (Leontopithecus crysomelas) de uma área em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro. Segundo a coordenadora da operação, Maria Cecília Kierulff, diretora do Instituto Pri-Matas, há dez anos, essa espécie, considerada invasora, foi acidentalmente solta na área que já era habitada pelo mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia), natural da região. 
- Ele é muito próximo do mico-leão-dourado. Essas espécies ocupam o mesmo tipo de ambiente, alimentam-se das mesmas coisas, dormem nos mesmos locais. Ele pode até, de alguma forma, excluir o mico-leão nativo se essas duas espécies se encontrarem - explicou a pesquisadora, alertando que o encontro das duas espécies pode gerar uma disputa por áreas e comida. 
Segundo um levantamento coordenado por Maria Cecília, em 2009, havia mais de 100 micos-leões-de-cara-dourada, espécie natural da Bahia, na floresta em Niterói. Desde o resultado da pesquisa, os pesquisadores começaram a captar recursos e reuniram, este ano, mais de R$ 500 mil, a partir de financiamento internacional e de investimentos de instituições e órgãos como a Câmara de Compensação Ambiental do Rio de Janeiro. - É uma operação cara. Não é só tirar os micos dali. Eles serão colocados em quarentena e depois soltos na Bahia em uma área de floresta dentro da área original deles de distribuição. E não é só soltar lá. Vai ter uma equipe que será mantida por pelo menos dois anos para acompanhar a adaptação dos grupos na nova área. É um projeto grande que envolve várias equipes e dois estados - disse a coordenadora do projeto. Ela acredita que serão necessários mais de dois anos para concluir a remoção. “A gente pretende fazer a captura em, no máximo, 15 meses. Vai ser um processo intenso. Depois disso, o último grupo capturado que tem que ser acompanhado na floresta (na Bahia) por pelo menos mais seis meses.” 
As equipes, que incluem veterinários e pesquisadores, trabalham ainda com a possibilidade de surpresas que podem estender o prazo previsto. Um deles pode ser resultado da convivência diária dos micos com os moradores que os alimentam com frequência. Para Maria Cecília, esse convívio pode gerar o aparecimento de alguma doença durante o período de quarentena, que exigiria o tratamento antes da soltura do animal. Também podem ampliar o tempo estimado pelos cientistas a multiplicação e a migração da espécie invasora para outras áreas. “Depois que a gente terminar essa captura, vamos ficar mais um tempo fazendo um novo levantamento para identificar se existem micos-leões-de-cara-dourada em outras áreas. Se existirem, vamos capturar de novo, e isso pode prolongar o projeto”, acrescentou a pesquisadora.
Fontes: Agência Brasil e Jornal O Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas