O Fim da Picada dos Mosquitos?

Uma equipe de cientistas da Universidade de Rockefeller nos EUA identificou substâncias que podem reduzir o apetite das fêmeas dos mosquitos pelo sangue humano. estudo, foi publicado na revista Cell e sugere o uso de substâncias para induzir uma sensação de saciedade em insetos, bloqueando assim o seu interesse em atacar novas vítimas para satisfazer seu apetite por sangue. As fêmeas de mosquitos transmissores de doenças infecciosas como dengue, malária e  febre amarela  se alimentam de sangue humano para nutrir seus ovos que ainda estão crescendo. Os compostos descobertos pelos pesquisadores  são capazes de enganar os insetos e os fazem acreditar que seu apetite está saciado e, assim, reduzem seu desejo de picar.


Uma equipe de cientistas da Universidade de Rockefeller nos Estados Unidos identificou substâncias que podem reduzir o apetite das fêmeas dos mosquitos pelo sangue humano. Esses compostos enganam os insetos e os fazem acreditar que seu apetite voraz está saciado e, assim, reduzem seu desejo de picar. Além de serem inconvenientes e irritantes, esses insetos também são vetores que podem transmitir doenças infecciosas, como dengue, malária ou febre amarela, através de suas picadas.
O estudo, liderado por Leslie Vosshall , diretor do Laboratório de Neurogenética e Comportamento da Universidade Rockefeller, foi publicado na revista Cell e sugere o uso de substâncias para induzir uma sensação de saciedade em insetos, bloqueando assim o seu interesse em atacar novas vítimas para satisfazer seu apetite por sangue.
Vosshall e sua equipe concentraram seu estudo na compreensão desses mecanismos que regulam a fome e a saciedade na espécie Aedes aegypti, conhecida por ser o principal vetor dos vírus causadores da dengue. A fêmea de Ae. Aegypti se alimenta de sangue humano para nutrir seus ovos que ainda estão crescendo. Para produzir gerações de descendentes diferentes, as fêmeas desse mosquito precisam se alimentar várias vezes ao longo de sua vida.
Os especialistas deduziram que certos hormônios eram responsáveis ​​pela atração de mosquitos pelos seres humanos e que, depois da alimentação, havia "alguma coisa" que diminuía o apetite, anulando assim o efeito desses hormônios.
Ao contrário dos humanos, que geralmente recuperam o apetite em poucas horas, os mosquitos levam vários dias para voltar a sentir fome depois de encher o estômago. Esse fenômeno atraiu a atenção dos pesquisadores porque, pelo menos por algum tempo, havia uma forma de manter os insetos hematófagos longe de seu desejo de picar.
Nos seres humanos, existem vias metabólicas capazes de ativar e desativar esses efeitos hormonais que determinam a vontade de comer, como, por exemplo, em casos graves de obesidade com a ajuda de drogas reguladoras. Portanto, os cientistas tomaram a decisão de usar medicamentos dietéticos , projetados em princípio para humanos, a fim de verificar se essas vias também estavam presentes nos mosquitos.
O laboratório identificou o receptor NPYLR7 , responsável por o mosquito sentir fome ou não. Em seguida, testou a resposta desse receptor em células de cultura com mais de 265.000 compostos para determinar quais os ativaram. Depois de identificar os melhores candidatos, eles testaram 24 deles diretamente nos mosquitos e encontraram os 18 que funcionaram melhor. 
Essas substâncias agiam como drogas, inibindo os comportamentos alimentares e, portanto, a picada, quando os mosquitos estavam em contato com hormônios humanos ou com o cheiro de sangue quente. 
Os pesquisadores insistem que ainda falta informação para controlar completamente os desejos do mosquito e explorar as descobertas de seu novo estudo da melhor maneira possível. Além disso, eles consideram que trabalhos futuros também terão que se concentrar em como essa substância será levada para as populações de mosquitos no ambiente natural e não no laboratório. 
Em suma, sua intenção não é erradicar esses insetos, mas naturalmente reduzir seu apetite por alguns dias e, portanto, a reprodução para reduzir a transmissão de doenças. Os pesquisadores insistem que os efeitos observados da droga não são permanentes, pois, de outro modo, ela poderia causar danos indesejáveis ​​ao equilíbrio dos ecossistemas.
Vosshall conclui que, se as técnicas forem eficazes, provavelmente funcionarão também com outros tipos de mosquitos, assim como com outros artrópodes que se alimentam de sangue humano, incluindo carrapatos.
Para saber mais, clique nos links acima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

A Importância Ecológica das Baratas

Tecnologia Indígena