Reprodução Humana Assistida




Vídeo mostra de forma bem humorada como se dá a fertilização do óvulo pelo espermatozóide, o evento inicial da vida

De 1978 para cá – ano de nascimento de Louise Brown, primeiro bebê de proveta do mundo – as técnicas de reprodução humana assistida evoluíram, assim como as pesquisas científicas em torno de células-tronco embrionárias, mas mesmo com as notícias sobre os avanços nessas áreas do conhecimento, pouco se conhece sobre o trabalho dos que atuam nos bastidores das clínicas de reprodução humana assistida. “Cabe ao embriologista clínico iniciar o cultivo em laboratório dos óvulos e espermatozóides, utilizando técnicas de micromanipulação, fecundar o óvulo e gerar um embrião, que após 2 e/ou 3 dias de desenvolvimento será entregue ao médico para a transferência para o útero materno. As oportunidades de trabalho nesta área incluem, além das clínicas de reprodução humana e bancos de sêmen, as instituições de pesquisa no ramo da biologia, veterinária e genética”, diz a biomédica Luciana Semião Francisco, professora do Curso Aspectos Básicos do Laboratório de Reprodução Humana Assistida, promovido pelo Instituto de Ensino e Pesquisa em Medicina Reprodutiva de São Paulo
Muitos casais procuram as clínicas de reprodução assistida a fim de realizarem o sonho de ter um filho. Nem sempre a dificuldade de engravidar é problema da mulher. Ás vezes, a responsável pro isso é a  infertilidade masculina.

Infertilidade Masculina

Em relação à infertilidade masculina, o espermograma é o ponto de partida da investigação dos fatores masculinos de infertilidade. “Mas o exame não revela se a dificuldade para engravidar está na interação do óvulo com o espermatozóide, nem serve para diagnosticar a infertilidade sem causa aparente”, observa a biomédica Luciana Semião Francisco. Por isto, para tratar a infertilidade masculina é muito importante começar pelo diagnóstico correto. O espermograma é um exame cuja precisão depende muito de como foi feita a coleta do esperma. Muitos indivíduos ficam ansiosos na hora de colher o material, não conseguem ejacular adequadamente e o resultado altera-se bastante. Para evitar conclusões equivocadas, pede-se que se repitam o exame num laboratório que ofereça boas condições de coleta para ver se a alteração de fato existe. Se existir, torna-se necessário investigar sua causa. Também é necessário verificar se a clínica de reprodução assistida conta com profissionais capacitados que  adotam a importância do espermograma como instrumento de diagnóstico da infertilidade masculina, com base nos novos parâmetros de normalidade seminal definidos pela Organização Mundial da Saúde (O.M.S.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade