O Destino Fatal das Baleias Encalhadas

A baleia jubarte  de 12 m  que encalhou na praia de Geribá, em Búzios, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, morreu dois dias depois, vitimada por uma convulsão. Eventos desta natureza costuma ter desfecho trágico, explica o especialista

A visão do triste espetáculo da baleia encalhada costuma provocar em nós a ânsia de ajudá-la e, quem sabe, até salvá-la da morte. E não é difícil explicar as correntes humanas que se formam para ajudar esses cetáceos ou as aglomerações comovidas pela impotência diante do sofrimento do animal. Mas, diferente do que gostaríamos, esse é um evento da natureza sobre o qual o homem pouco pode interceder. 
Dos esporádicos casos de encalhes de grandes cetáceos vivos acontecidos nos últimos 20 anos, muito poucos resultaram em desencalhe. Ainda assim, grande parte do êxito nesses poucos casos de sucesso deve-se quase que exclusivamente às condições da maré e da praia em que o animal encalhou. Ou seja, a interferência do homem não faz parte dos fatores que ditam a sorte da baleia encalhada. O biólogo marinho e diretor do Instituto Ecológico Aqualung, Marcelo Szpilman, responde aqui as principais perguntas que normalmente surgem quando se trata de encalhe de baleias:

Pode-se empurrar ou puxar uma baleia encalhada? 
Como ainda não existem equipamentos adequados, as bem intencionadas manobras para empurrar ou puxar o animal resultarão em inócuas tentativas improvisadas de resgate, estresse ou mesmo danos à sua estrutura corporal. Quem frequenta a praia sabe que um homem adulto de 80 kg sentado na areia na beira da água cria um buraco e afunda na medida em que as ondas batem. Nessas circunstâncias, empurrar ou puxar, na tentativa de "desencalhar" essa pessoa, não são as melhoras medidas, mas sim levantá-la. Com uma baleia pesando dezenas de toneladas e sem nenhuma intenção de ajudar, é impossível arrastar ou levantar. 

O que podemos fazer? 
A melhor ajuda que podemos dar a uma baleia encalhada é isolar a área para que os curiosos e bem intencionados não atrapalhem ou machuquem o animal. Com raras exceções, somente a sorte e a própria natureza podem interceder a favor da baleia nesse momento. Somente ela poderá tentar desencalhar-se sozinha. Se não conseguir desencalhar-se em até 24 horas, o enorme estresse e os danos provocados em sua estrutura física e em sua fisiologia, que não foram projetados para suportar tamanho peso e compressão fora d’água, passam a determinar seu fim. Quando o animal encalha na maré alta, seu desencalhe é praticamente impossível - caso da baleia que encalhou  em Geribá, RJ (25/10?10). 

Porque as baleias encalham? 
As causas naturais do encalhe de baleias podem ser as mais variadas, indo de doenças que provocam problemas no senso espacial a equívocos ou inexperiência no cerco de um cardume de sardinhas. Contudo, não podemos nos esquecer que o encalhe de baleias sempre foi e sempre será um evento incomum da natureza do qual os homens não participam. 

Porque houve aumento de encalhe de baleias? 
O aumento do número de baleias encalhadas, curiosamente, tem a ver com o aumento das populações de baleias no litoral brasileiro. Graças à proibição da pesca da baleia e ao excelente trabalho de proteção e preservação que vem sendo realizado há mais de 18 anos pelo Projeto Baleia Jubarte e pelo Projeto Baleia Franca, a quantidade de baleias que hoje nadam ao longo do nosso litoral em suas rotas migratórias aumentou bastante, o que também aumentam as chances de um encalhe. 

Comentários

  1. Oi, José Antônio
    É muito triste a cena de uma baleia encalhada na praia e mais triste ainda é saber que muitos dos esforços feitos não darão em nada.
    No entanto, não devemos esquecer que existe um ciclo vital para todos os organismos vivos e que nem sempre o seu fim é devido à velhice ou às doenças. Os acidentes fazem parte desse percurso e, mesmo sendo um fato lamentável, o encalhe de baleias é apenas um destes.
    Parece cruel o que vou dizer, mas é melhor uma baleia morrer encalhada do que vítima da predação (des)humana.
    Beijos, Márcia.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade