Acertou na Arte, Errou na Biologia

A animação, produzida e dirigida pelo brasileiro Carlos Saldanha ( o mesmo da trilogia "A Era do Gelo"), conta a história de um pássaro que nasceu no Parque Nacional da Floresta da Tijuca, em pleno Rio de Janeiro e é então capturado e levado para os Estados Unidos, onde ganha o nome de Blu. Depois de adulto, ele volta para o Rio, sua terra “natal”, onde vive várias aventuras e encontra seu amor.
A trama central do filme envolve o tráfico de animais, e a intenção é de ajudar a conscientizar as pessoas contra a venda ilegal dos bichinhos. A causa é muito nobre, mas temos um pequeno probleminha: o diretor não foi muito fiel à biologia.
arara azul (Cyanopsitta spixii) personagem principal do filme é uma ave da caatinga nordestina, que vivia na Bahia. Os últimos exemplares na natureza, no município baiano de Curaçá, desapareceram há cerca de 10 anos. De acordo com o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave), a Ararinha Azul está oficialmente extinta na natureza. Assim, a arara spixii só pode ser vista em cativeiros, sendo sua reprodução nestes locais um evento bastante raro. Quando ocorre, fêmeas colocam aproximadamente três ovos para cada ninhada, depositando-os em ninhos de madeira, e não em ocos de árvores, como a caribeira (Tabebuia caraiba), tal como seus exemplares em liberdade faziam.
A representação do animal está ótima, com a forma do bico e as cores bem fiéis à espécie real, o problema é que nunca uma ararinha azul viveria no Rio de Janeiro, de acordo com o ornitólogo Luis Fabio Silveira, da USP, em uma entrevista à revista Época.
O tucano que ajuda Blu e sua namorada é um tucano-toco (Ramphastus toco), com o típico bico amarelo,  a espécie mais famosa de tucano, mas que também não vive no Rio. Essa espécie é do cerrado.
Existem aves lindíssimas, inclusive araras, tucanos e papagaios, típicos da Mata Atlântica, muitos que ainda habitam a Floresta da Tijuca e as outras matas do Rio. Por que nenhum deles foi personagem do filme? Ficaria igualmente bonito e ainda ajudaria a educar brasileiros e estrangeiros.
Não há o que se reclamar do restante do filme, a representação da cidade, e todo o resto está maravilhoso. A única parte em que Saldanha pecou foi na representação da fauna local.
Veja agora um trailler da animação:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas