O Pioneiro da Paleoarte no Brasil

Maurílio Oliveira de 47 anos é o pioneiro da paleoarte no Brasil e seus trabalhos podem ser vistos no Museu Nacional, na Quinta da BoaVista, em São Cristóvão (Rio de Janeiro),em diversas revistas científicas e até em filmes e novelas. Segundo ele, paleoarte é a técnica de reconstruir a aparência de organismos extintos a partir de estudos sobre seus fósseis. No entanto, o caminho até o sucesso na profissão começou com uma feliz coincidência. Maurílio é artista plástico autodidata e trabalhava fazendo desenhos para projetos para os quais era convidado. Em 1999, o paleontólogo Alexander Kellner o convidou para fazer um painel para a mostra “No Tempo dos Dinossauros”. Maurílio topou. E a partir daí não fez outra coisa na vida.“Quando comecei, há 12anos, não me considerava um paleoartista, afinal, precisava estudar paleontologia para entender o trabalho dos paleontólogos e conseguir dialogar com eles. Posso dizer que aprendi fazendo, com o tempo”, conta Maurílio, que preza muito pelo detalhamento e o rigor de suas obras. “Mais do que uma obra de arte,
as esculturas e desenhos são um trabalho científico, fruto de muita pesquisa”, completa.
O processo de elaboração de uma réplica em tamanho real pode durar até três anos, dependendo diretamente das informações da pesquisa sobre o animal a ser abordado. Maurílio utiliza espuma de poliuretano, massa epóxi e tinta acrílica na confecção. A experiência na profissão aguçou o olhar crítico do artista, que brinca de encontrar “erros” científicos nos dinossauros de filmes como “Jurassic Park”, clássico cinematográfico de Steven Spielberg. “É lógico que, para filmes, os paleoartistas abrem mão de um olhar mais realista para causar mais impacto. No ‘Jurassic Park’, por exemplo, o Jack Horner, um dos mais respeitados paleontólogos do mundo, usou recursos, como chifres e caudas enormes, para deixar os dinossauros mais aterrorizantes”, explica.
No entanto, além de divertir e causar impacto, a profissão tem uma missão nobre, que é constantemente lembrada por Maurílio, “Minha função é despertar o interesse das pessoas por esses seres, que explicam tanto sobre o passado de nosso planeta e também podem nos ajudar a desvendar importantes dados para a sobrevivência futura do homem na Terra”, conta o artista-cientista.
Veja algumas ilustrações do paleoartista em Maurílio Oliveira-Paleoarte
Fonte: Jornal Metro Rio (em 17/08/2011)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas