Da Arena para o Açougue

Após morte cruel na arena, touros têm carne vendida ao público em Guadalajara. Curiosas, crianças acompanham atentamente a preparação dos animais para o consumo após a realização tourada
As touradas, tradicionais no México, enfrentam cada vez mais resistência ao redor do mundo, a ponto de serem proibidas em parte da Espanha, um berço da atividade. Se demonstram bravura na arena e cativam o público, os touros são poupados, algo que acontece muito raramente. Na visão do jovem toureiro mexicano Octavio Garcia, 22 anos, os animais têm uma morte digna dentro da arena. Já o toureiro Fernando Ochoa, 34 anos, tomou duas chifradas na perna esquerda. "A técnica da tourada tem que ser aprendida desde pequeno para que você esteja protegido", declarou o mexicano, neto de um empresário que trabalha com os animais.
No começo do espetáculo, funcionários levam ao centro da arena uma placa com o nome e o peso do animal. Em uma das touradas acompanharas pela reportagem, o touro, exausto, foi ao chão antes de receber a estocada final de Ochoa. "Mata ele agora!", gritou um dos espectadores. "É pra hoje!", bradou outro.
Puxado pelo rabo, o animal voltou a se levantar. Atiçado com gritos pelo toureiro, ele atacou, a ponto de os espectadores gritarem "olé" nas fintas em que o corpo do homem chegava a roçar o do touro. No momento oportuno, os toureiros viram de costas para o animal e levantam o braço em busca de aplausos.
Ensaguentado, com a língua de fora e babando sem parar, o touro recebeu a estocada final em meio a um profundo silêncio dos espectadores. O golpe perfeito perfura a aorta e provoca a morte praticamente instantânea do animal. Insatisfeito, o público vaiou a saída do touro, puxado por dois cavalos para fora da arena.
Assim que é liberado, ao som de uma das duas bandas que atuam na arena, o touro entra em cena a toda velocidade. Em outra corrida acompanhada pela reportagem, o animal deu uma chifrada violenta em uma barreira de proteção logo no começo e quebrou um dos chifres. Desta forma, acabou substituído.
No final do espetáculo, os portões da arena são abertos. Sem qualquer tipo de restrição, os fãs têm a oportunidade de assediar os toureiros e até entrar na arena para tirar fotos. Outra alternativa é comprar partes dos animais que participaram das corridas para consumo próprio.
Arrastados para fora da arena, os touros passaram para as mãos dos açougueiros. A preparação dos animais para o consumo, sem as condições higiênicas ideais, vira um espetáculo, acompanhado por muitas crianças. Os interessados compram partes da carne e voltam para a casa com sacos plásticos ensaguentados.
Veja também no Biorritmo: Tourada: diversão ou desumanidade? (01/02/2011)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade