Taxidermia: Ciência e Arte à Flor da Pele

A Taxidermia é um procedimento exercido por biólogos, que envolve conhecimentos de diversas áreas além da Biologia, como: Química, Anatomia, Comportamento, Ecologia, Artes Plásticas, entre outras.

Taxidermia é originário do grego, cuja tradução é "dar forma à pele". É uma arte egípcia milenar adaptada aos nossos tempos de reconstituir corpos de animais que vieram à óbito para posterior exibição ao público ou estudo acadêmico. Sua abrangência é grande e atende a diferentes públicos como museus de história natural, zoológicos, universidades e outros. A Taxidermia tem como principal objetivo, o resgate de espécimes descartados, reconstituindo suas características físicas e, às vezes, simulando seu habitat, o mais fielmente possível.
Como foi dito anteriormente, a Taxidermia atende à diferentes públicos como donos de animais domésticos, pescadores e caçadores desportistas, criadouros de animais comerciais, bem como museus de história natural, entidades conservacionistas, zoológicos, universidades e mais recentemente o teatro e a televisão.
A Taxidermia é um procedimento exercido por biólogos, que envolve conhecimentos de diversas áreas além da Biologia, como: Química, Anatomia, Comportamento, Ecologia, Artes Plásticas, entre outras. É uma técnica aplicada somente em animais vertebrados e seus registros mais antigos remontam, como já dizemos, ao império egípcio, a cerca de 2.500 A.C.
Popularmente o termo "empalhar” já foi usado como sinônimo de “taxidermizar” entretanto há muito tempo não se usam mais os rústicos manequins de palha e barro para substituir o corpo dos animais.

A bióloga taxidermista Luciana Cristina Machado, de Pirassununga-SP, apresentou em dezembro de 2010 o seu painel "A TAXIDERMIA DE ANIMAIS SILVESTRES COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO EM ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL” no  Simpósio comemorativo dos 15 anos do Curso de Especialização Ambiental e Recursos Hídricos na USP - Campus São Carlos. Conheça a seguir a essência desse trabalho nas palavras de Luciana Machado.
"É frequente a morte de animais que perfazem plantéis de zoológicos, criadores conservacionistas e até mesmo aqueles que tentam atravessar rodovias e são atropelados. Esse último caso, infelizmente ocorre com grande freqüência principalmente em épocas de safra das indústrias sucroalcooleiras, onde o tráfego de caminhões é intensificado, somado ao fato de que nossa região não dispõe de corredores ecológicos para travessia e fuga de animais que habitam nossos ecossistemas. As carcaças destes animais normalmente são descartadas e, portanto o objetivo da taxidermia reside no aproveitamento deste material para fins didáticos em aulas de Educação Ambiental que são ministradas para alunos da rede pública e privada. Os animais taxidermizados fazem parte do enriquecimento de aulas de Educação Ambiental que frequentemente são ministradas em zoológicos e atendem diversos públicos, principalmente alunos portadores de deficiência visual que tem na taxidermia, oportunidade única de manusearem animais que conservam todas suas características físicas que mantinham quando em vida após serem submetidos a uma boa taxidermização de seus corpos".
Assistam agora a matéria que foi realizada pela EPTV de São Carlos sobre o trabalho de taxidermia de animais silvestres: Uma parceria estabelecida entre a Faculdade Euclides da Cunha de São José do Rio Pardo e o Zoológico da cidade (Ilha de São Pedro).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade