Todo Dia É Dia de Índio Para os Expedicionários da Saúde

Veja como a organização Expedicionários da Saúde está mudando a vida de populações indígenas isoladas

Um grupo de amigos, em sua maioria médicos, frequentemente organizava caminhadas em meio à natureza. Em 2002, ao visitarem o Pico da Neblina, no Amazonas, tiveram a oportunidade de conhecer uma aldeia Yanomami. Confrontados com uma realidade muito diferente da que viviam, acabaram mudando o foco de suas viagens.
“Ali mesmo combinamos de montar um grupo e tentar fazer alguma coisa pela população indígena da região”, conta o ortopedista Ricardo Affonso Ferreira, de Campinas.
Eles procuraram instituições responsáveis pelo atendimento à saúde para entender como atuavam e assim planejar uma participação eficaz. Em 2003 nascia oficialmente a Associação Expedicionários da Saúde.
“Nosso objetivo sempre foi levar atendimento médico especializado, principalmente cirúrgico, para as populações indígenas que vivem geograficamente isoladas, com excelência na qualidade de serviços e gestão responsável. Não acreditamos em medicina pobre para pobre”, diz Ferreira.
De lá para cá foram 20 expedições. Da primeira viagem, com três médicos e 130 kg de equipamentos, eles evoluíram para uma equipe com mais de 20 médicos, 60 enfermeiros e outros tantos profissionais – todos voluntários –, e cerca de três toneladas de equipamentos. Ao todo foram realizadas mais de 2500 cirurgias e 13 mil consultas, sempre acompanhadas por tradutores para que os pacientes pudessem passar e receber as informações corretamente.
A mais recente ação aconteceu no final do mês de novembro, na aldeia Sai Cinza, localizada no município de Jacareacanga, oeste do Pará.“No início os índios nos olhavam desconfiados. Mas fomos ganhando a confiança deles, que perceberam que estávamos trazendo benefícios”.
Nessa expedição, os médicos contaram com o apoio financeiro da Odebrecht, que constrói a Usina Hidrelétrica Teles Pires na região. A empresa também implantou um código de ética indígena para os trabalhadores de sua obra e desenvolveu uma cartilha específica sobre o tema.
“São ações como essas e parceiros que contribuem com doações financeiras, de serviços e insumos que tornam o projeto viável”, diz Ferreira.
Os Expedicionários não deixam por menos: se empenham para levar tecnologia de ponta às aldeias indígenas. “Montamos um verdadeiro centro médico, com duas salas cirúrgicas, sala de atendimento, sala de conforto médico, materiais de qualidade. Tudo igual aos grandes centros”.
A equipe de profissionais é composta por oftalmologistas, clínicos gerais, anestesistas, ortopedistas, ginecologistas, dentistas e enfermeiros.
Para realizar o trabalho na aldeia Sai Cinza, que beneficiou índios das etnias Apiaká, Kayabi e Munduruku, foi utilizada a estrutura de uma escola indígena da Fundação Nacional do Índio (Funai). Ali foram feitos cerca de 1500 atendimentos e 200 procedimentos cirúrgicos.
“Batemos o recorde de cirurgias de cataratas e também fizemos muitos atendimentos de hérnia”.
O médico conta que é uma felicidade levar atendimento a uma população tão carente e sofrida. “É uma alegria ver crianças que tinham cataratas congênitas e não enxergavam voltar a correr, jogar futebol, caçar”.
Mesmo com temperamento reservado, os índios acabam demonstrando gratidão para com os doutores. “Recebemos muita atenção e carinho. Nessa recente expedição ao Pará, tivemos uma situação lindíssima: no último dia os índios formaram uma fila, alguns sorrindo outros chorando, e vieram nos cumprimentar”, lembra o médico.
Por situações como essa, Ferreira acredita que os profissionais da Expedicionários da Saúde ganham muito mais do que dão com o trabalho junto aos índios.
“Não é uma questão de altruísmo e sim de colaborar com a sobrevivência desses povos. Sinto que temos uma dívida com a sociedade. E é indescritível o que sentimos. Para mim é um grande privilégio”.
Fonte: Portal iG

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade