Feito Cães

Cerca de 100 mil habitantes de Hong Kong são obrigados a morar em jaulas projetadas para cães porque não conseguem comprar ou alugar os imóveis caríssimos da cidade

Jaulas de 1,80 m de comprimento por 75 cm de largura, projetadas para abrigar cachorros, estão servindo de moradia para até 100 mil habitantes em Hong Kong, segundo reportagem publicada em 11 de janeiro de 2012 pelo jornal britânico Daily Mail. Hong Kong, uma das cidades mais ricas do mundo tem um lado sombrio, com dezenas de milhares de habitantes forçados a viver nas condições mais degradantes. A alternativa é a vida nas ruas.
A bolha imobiliária na cidade torna os preços de compra e aluguel inacessível à boa parte da população que é obrigada a recorrer aos "canis". Cada quarto abriga cerca de 20 jaulas , empilhadas em grupos de até três acima da outra. 200 dólares (cerca de 360 reais) é o valor do aluguel cobrado dos chineses que precisam viver em jaulas para cachorros.
Os ocupantes das gaiolas devem compartilhar banheiros e lavabos, que são rudimentares. Muitos dos apartamentos não têm cozinhas, obrigando seus moradores pobres a gastar seus parcos rendimentos comprando comida fora. Os "canis" tem sido um escândalo em execução no mercado de Hong Kong de habitação ao longo de décadas, mas ao invés de desaparecer, eles estão em ascensão.
Um morador do "canil", chamado Cheung, que vive em Sham Shui Po, disse ao Asia Times Online que convive num ambiente terrivelmente apertado e fétido. "A temperatura no interior dessas jaulas para cães podem ser de dois a três graus mais elevados do que a temperatura do lado de fora", disse ele. "É muito desconfortável, e às vezes eu não consigo dormir depois das 5 horas da manhã. Baratas, lagartixas, piolhos e ratos são comuns , disse Cheung.
As fotos locais foram tiradas pelo fotógrafo britânico Brian Cassey e podem ser vistas no site do Daily Mail. Clique no link para ver as fotos: www.daily_mail.co.uk 

Comentários

  1. Viva o progresso da China que em pouco tempo será a primeira economia do mundo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade