Medicamentos Que Podem Vir dos Venenos das Cobras


Venenos de cobras podem ser fonte de novas drogas para tratar câncer e diabetes.
Toxinas que tornam venenos mortais podem retornar ao estado inofensivo e ajudarem na criação de remédios para doenças humanas

Pesquisadores da Liverpool School of Tropical Medicine, no Reino Unido, descobriram que toxinas presentes no veneno de cobras e lagartos podem levar ao desenvolvimento de medicamentos para doenças como câncer, diabetes e pressão alta.
A pesquisa revela que as toxinas que tornam o veneno mortal podem retornar ao estado de moléculas inofensivas, levantando a possibilidade de que elas poderiam ser desenvolvidas em comprimidos.
Venenos de cobra já foram usados para criar as drogas, mas os produtos químicos produzidos são muitas vezes mortais para o consumo humano.
"Nosso trabalho destaca uma relação fascinante entre moléculas que criam o veneno de répteis e proteínas celulares normais. Os resultados sugerem que as moléculas de veneno foram modificadas para fins não venenosos na natureza. Esta é uma prova de princípio de que uma molécula que antes era tóxica pode ser alterada para fornecer benefício a um organismo, até mesmo por meio de remédios", afirma o pesquisador Gavin Huttley, da Australian National University.
Segundo o principal autor do estudo, Nicholas Caswell, os resultados demonstram a complexa evolução do veneno de cobras e outros répteis. "A glândula de veneno de uma cobra parece ser um caldeirão para a evolução de novas funções para as moléculas, algumas das quais são mantidas venenosas para matar a presa, enquanto outras passam a servir novas funções em outros tecidos do corpo", explica.
A equipe acredita que a pesquisa abre portas para uma nova era de descoberta de drogas. "Muitas toxinas do veneno de serpentes atingem os mesmos caminhos fisiológicos que os médicos gostariam de atacar para tratar uma variedade de condições médicas, como câncer, diabetes e pressão alta", concluem os autores.
Fonte: ISaude.net

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade