Um Primata Que Se Comunica Por Ultrassom

O társio filipino é o único primata até agora conhecido que se comunica por "chamadas" constituídas por puro ultrassom, da mesma forma que as baleias, os golfinhos e alguns morcegos

Os társios podem estar gritando como loucos e você não ter nem ideia. Isso porque eles são os únicos primatas que tem “chamadas” constituídas de puro ultrassom, que o ouvido humano não capta.
A pesquisadora Marissa Ramsier e seus colegas ficavam intrigados quando viam os társios filipinos (Tarsius syrichta) abrirem a boca como se quisessem fazer um chamado, e não saia nenhum som.
Então, eles colocaram 35 dos animais silvestres na frente de um detector de ultrassom, que revelou que o que eles assumiam como bocejos eram, na verdade, gritos agudos além do alcance do ouvido humano.
Os pesquisadores já sabiam que alguns primatas podiam emitir e responder chamadas com componentes ultrassônicos, mas nenhum era conhecido por usar apenas frequências ultrassônicas em uma chamada.
A frequência dominante do chamado de ultrassom do társio filipino foi de 70 kilohertz, entre as mais altas registradas em qualquer mamífero terrestre. Eles podem ouvir até 91 kHz, bem além do limite de 20 kHz da audição humana.
Baleias, golfinhos, gatos domésticos e alguns morcegos e roedores são os únicos mamíferos conhecidos que se comunicam desta forma.
Ter o equivalente a um canal de comunicação privado poderia ajudar os társios a avisar uns aos outros de predadores como lagartos, cobras e pássaros, que não podem detectar essas frequências. Espionagem de insetos também pode ajudá-los a localizar suas presas.
Embora o talento escondido dos társios possa ser único, mais estudos poderiam revelar outros primatas que usam chamadas de puro ultrassom. Segundo Ramsier, muitos primatólogos já observaram comportamentos de animais abrindo a boca de uma forma silenciosa, e é certamente possível que alguns destes comportamentos sejam acompanhados por vocalizações ultrassônicas.
Fonte:NewScientist

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade