Explique Sua Tese Para Sua Avó

Os acadêmicos têm uma enorme dificuldade em explicar as suas dissertações, teses e publicações científicas para o público leigo sem ter que recorrer a jargões e termos técnicos

"Você sempre fica nervoso quando algum parente te pergunta o que você está estudando no seu mestrado/doutorado (ou pós doutorado, iniciação científica)? Nunca fica satisfeito com as suas tentativas de explicar um assunto que você sabe que conhece com a ponta da língua? Infelizmente, essa não é uma habilidade treinada na academia e muitos cientistas apanham quando precisam explicar o que fazem para alguém que não seja formado na sua área de atuação."
Para estimular essa habilidade, o Science Blogs Brasil bolou um concurso convidando qualquer pesquisador ou estudante, de graduação, mestrado, doutorado ou profissional a criar coragem e explicar o título do seu trabalho de uma maneira tão simples que a sua avó e o seu sobrinho de 10 anos conseguiriam entender.
Comunicar assuntos científicos para um público leigo não é tarefa das mais fáceis. Fazer essa comunicação de modo atraente é mais difícil ainda. Segundo Einstein:"Você realmente não entende algo a menos que possa explicar isso para sua avó." Um artigo publicado na PLoS em 31 de outubro de 2013 resolveu discutir esta idéia. Intitulado "Explain Bioinformatics to Your Grandmother! ("Explique Bioinformática para Sua Avó!", em tradução livre), o artigo procura mostrar a importância da comunicação científica ser bem compreendida pelo o público leigo. Cita também algumas estratégias que podemos usar para não enveredarmos pelo tortuoso caminho do jargão científico ao divulgarmos nossos trabalhos e projetos. O artigo também enfatiza a responsabilidade que os jovens pesquisadores têm na mudança desse paradigma.

No dia 2 de janeiro de 2014, o Science Blogs Brasil divulgou o resultado do concurso que contou com votação em sua fanpage no Facebook. Os títulos vencedores foram:
1- “Atividade neurofarmacológica do pericarpo dos frutos de Passiflora edulis variedade flavicarpa: envolvimento de flavonoides C-glicosideos” de Ligia Moreiras Sena que o transformou em “Vó, tentei fazer o povo trocar o rivotril por maracujá, mas não consegui”.
2- “Taxonomia de pequenos roedores pretéritos com contribuições ao conhecimento das mudanças paleoambientais do Holoceno no nordeste do Rio Grande do Sul, Brasil” de Paulo Ricardo Roth que modificou esse título rebuscado para “Quais tipos os tipos de rato moravam no RS antes do nono chegar pra derrubar o mato e plantar a roça de arroz”.
3- “Células MCF-7 como modelo 3D no estudo de câncer de mama humano” de Jônatas Bussador Do Amaral que para explicar esse título"medonho" para sua avó teve que mudá-lo para “Crio bolinhas de câncer Vó”.
Para Saber Mais:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade