A História Retorcida da Descoberta da Molécula de DNA



A história da descoberta do modelo da dupla hélice da molécula de DNA está repleta de episódios de ganância, intriga, menosprezo, astúcia e preconceito. 

A ciência tem dessas coisas. Exaltamos os feitos, mas não procuramos saber nada sobre os personagens envolvidos numa descoberta científica. Sabemos que a descoberta da estrutura da dupla hélice da molécula de DNA se tornou um marco na história da ciência contemporânea. Mas sabemos muito pouco sobre os fatos relacionados com essa descoberta e quase nada sobre os bastidores desse feito memorável. Muito menos sobre o caráter dos protagonistas dessa história, os cientistas James Dewey Watson (1928-    ) e Francis Harry Compton Crick (1916-2004).
A substância DNA, ou seja, o ácido desoxirribonucleico, foi descoberta em 1869 pelo bioquímico suíço Johann Friedrich Miescher (1844-1895), mas até o meado do século 20 não se conhecia a estruturação tridimensional do DNA e nem como poderia ser sua configuração molecular.
No ano de 1951, em Nápoles, sul da Itália, num congresso internacional consagrado ao tema da estrutura de moléculas encontradas em células vivas, Francis Crick conheceu James Watson, dando início a uma parceria que, dois anos mais tarde, seria responsável por uma das mais importantes descobertas das ciências biológicas: juntos, elaboraram o modelo da dupla hélice para a molécula de DNA. 
A estratégia empregada por Watson e Crick foi construir um modelo molecular que levasse em conta o tamanho e a configuração espacial dos nucleotídeos. Assim, através de estudos de difração de raios X, Watson e Crick revelaram que a molécula de DNA é um composto formado por duas longas cadeias paralelas, constituídas por nucleotídeos dispostos em sequência. 
Em 25 de abril de 1953, Watson e Crick publicaram seus resultados em uma edição da revista científica Nature - e em 1962 receberam o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia, tornando-se dois dos cientistas mais importantes da história moderna. Até aqui tudo maravilhoso. Agora vamos conhecer o outro lado dessa bela história.
A biofísica britânica Rosalind Franklin (1920-1958) também foi responsável por parte das pesquisas e descobertas que levaram à compreensão da estrutura do DNA. Nascida em 25 de julho de 1920, Franklin se destacou nas aulas de ciência desde criança, e estudou em uma das poucas escolas para garotas em Londres que ensinavam física e química naquela época. Aos 15 anos, ela decidiu se tornar cientista. Contrariando o seu pai, em 1938 a jovem se matriculou no Newnham College, uma faculdade só para mulheres da Universidade de Cambridge, onde se formou em 1941. 
Depois de sair de Cambridge, Rosalind Franklin passou três anos em Paris, onde pesquisou sobre técnicas de difração de raios-x. Em 1951, voltou à Inglaterra como pesquisadora no laboratório do físico John Randall no King's College de Londres. Foi lá que encontrou Maurice Wilkins. Eles lideravam por grupos de pesquisa e mantinham projetos paralelos, ambos sobre o DNA. 
James Watson sempre tratou com desdém a cientista que encontrou a peça-chave para decifrar o código da vida. Escreveu que Rosalind era irracional, dissimulada e "nada sexy". Não é de estranhar que ela tivesse um pé atrás com a dupla. Naquela época, mulheres eram desvalorizadas na ciência; faziam trabalho de computador - "computadoras" era até o termo usado para designar a função de certas astrônomas. Rosalind e suas colegas almoçavam longe dos homens no Kings College de Londres, em uma salinha apertada. E eram pressionadas constantemente para fornecer dados a outros pesquisadores.

Naquele tempo havia uma corrida por mostrar como era o DNA. De um lado competia a dupla do King's College, formado por Wilkins e a sua assistente Franklin, a qual ele tratava com desprezo; do outro lado, Crick e Watson, da Universidade de Cambridge. Ainda corria por fora, o norte-americano Linus Pauling (1901-1994) considerado o mais influente químico de sua época. 
Pauling quase descobriu como era a estrutura da molécula de DNA. O erro que ele cometeu foi não colocar as bases nitrogenadas no meio da molécula. Se ele tivesse visto a difração de raio-x de Rosalind Franklin possivelmente seria o ganhador do Nobel.
Quando ele tentou ver a fotografia feita por Rosalind num congresso na Inglaterra, o seu passaporte foi retido pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, sob a suspeita de ter simpatias pelo comunismo, e com isso não conseguiu sair do país.
O momento "eureca" dos pais do DNA só veio em janeiro de 1953, quando o parceiro de Rosalind, Maurice Wilkins, cometeu uma indiscrição: mostrou a seu amigo Watson imagens de moléculas obtidas por ela. "Não meti a mão na gaveta e roubei. Elas foram mostradas a mim", disse ele, que reconheceu a importância do evento para a descoberta que lhe rendeu o Nobel de 1962.
Mesmo menosprezada, Rosalind persistiu em seu projeto de DNA. Entre 1951 e 1953, ela chegou muito perto de descobrir a estrutura do composto orgânico. Crick e Watson, porém, publicaram a solução antes. Em 2010, foi comprovado que o pioneirismo dos cientistas foi, na verdade, baseado nos estudos de Franklin, "mãe do a DNA". A britânica fez os melhores registros fotográficos da estrutura até então, usando técnicas de raios-x. Ela permaneceu nove meses com o material, porém não identificou as hélices que, hoje se sabe, formam a estrutura helicoidal do DNA: o modelo da dupla hélice, proposto por James Watson e Francis Crick em 1953. O trabalho de Rosalind jamais foi mencionado pelos autores do artigo, publicado na revista Nature. Rosalind Franklin morreu no anonimato, ao 37 anos, vítima de câncer de ovário.
Francis Crick e Maurice Wilkins morreram em 2004. Watson ainda está vivo, com 84 anos, e passou os últimos anos se envolvendo em polêmicas. Disse, por exemplo, que negros são menos inteligentes e que seria uma ótima idéia utilizar a genética para deixar todas as mulheres bonitas.
Fonte: Portal Terra

Comentários

  1. Olá, meu nome é Ana Paula, faço graduação em Biologia/Ciências Biológicas Bacharelado na UFMA - Universidade Federal do Maranhão, gostei muito do texto, já sabia que a Rosalind não havia recebido o valor merecido pelo seu trabalho, mas não imaginava como tinha sido todo o processo, e que Pauling quase descobriu a estrutura do dna, gostei bastante, e queria saber que dicas o senhor poderia me dar sobre a carreira na biologia, pois não sei que especialização fazer, há tantas áreas da Biologia que me interessam, desde já agradeço, abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula. Obrigado por prestigiar o blogue Biorritmo. Temos observado que a biologia vem se expandido hoje em dia e ocupando nichos de mercado diversos. Uma área que tem atraído bastante a juventude é a Perícia Criminal, pois além da possibilidade de aplicar conhecimentos tecnológicos modernos, o perito tem direito à carteira de polícia e ao porte de arma no serviço público, além de um salário acima da média. É claro que você buscar especialização entre outras áreas bastante promissoras como a Gestão Ambiental e o Geoprocessamento. Tudo vai depender da sua identificação com as carreiras diversas que o profissional biólogo pode ocupar. Muitos têm tentado e obtido resultados satisfatórios no empreendedorismo. O interessante é você ficar atenta ao que está sendo ofertado para os biólogos em sua região. Por outro lado, investir numa carreira acadêmica fazendo mestrado e doutorado e se tornando um docente do ensino superior em uma instituição pública também não é um mau negócio. Espero ter ajudado. Um abraço.

      Excluir
    2. Oi, Ana Paula. Obrigado por prestigiar o blogue Biorritmo. Temos observado que a biologia vem se expandido hoje em dia e ocupando nichos de mercado diversos. Uma área que tem atraído bastante a juventude é a Perícia Criminal, pois além da possibilidade de aplicar conhecimentos tecnológicos modernos, o perito tem direito à carteira de polícia e ao porte de arma no serviço público, além de um salário acima da média. É claro que você buscar especialização entre outras áreas bastante promissoras como a Gestão Ambiental e o Geoprocessamento. Tudo vai depender da sua identificação com as carreiras diversas que o profissional biólogo pode ocupar. Muitos têm tentado e obtido resultados satisfatórios no empreendedorismo. O interessante é você ficar atenta ao que está sendo ofertado para os biólogos em sua região. Por outro lado, investir numa carreira acadêmica fazendo mestrado e doutorado e se tornando um docente do ensino superior em uma instituição pública também não é um mau negócio. Espero ter ajudado. Um abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas