A História Genética dos Estados Unidos

A análise do DNA de mais de 160 mil cidadãos norte-americanos entre afroamericanos, latinos, nativos e de origem europeia revelou que as diferenças em seus genomas refletem eventos históricos do país, como a colonização e as ondas de imigração espanhola. Curiosamente, muitos indivíduos que são considerados parte da comunidade branca descendem de africanos ou indígenas. (Foto: Little Italy, em Nova York, 1900. / Wikipedia )

Um estudo publicado este mês na revista American Journal of Human Genetics, analisou os genomas de mais de 160 mil afro-americanos, latinos e americanos de origem européia e revelou que a ascendência genética dessas populações está fortemente marcada por sua história. Durante os últimos 500 anos, os Estados Unidos têm sido um lugar de mistura contínua de diferentes grupos étnicos e raciais, principalmente nativos americanos, colonos europeus e africanos, este último oriundo do tráfico de escravos através do Atlântico.
Embora a população de grande parte do mundo já tenha sido geneticamente caracterizada, os EUA têm recebido menos atenção dos geneticistas devido aos seus padrões complexos de ascendência. Além disso, a relação entre a ancestralidade genética e as autodenominadas identidades raciais e étnicas em cada região dos Estados Unidos não foi caracterizada profundamente.
Katarzyna Bryc, principal autora do estudo, disse que o trabalho "não só revela os fundamentos históricos de diferenças regionais em ascendência genética, mas também lança luz sobre as complexas relações existentes entre a ancestralidade genética e  as raça  e etnias autointituladas".
Para realizar a essa pesquisa, Bryc e colegas analisaram variações na seqüência de DNA chamados polimorfismos de nucleotídeo único nos genomas de 5.269 autointitulados afroamericanos, 8663 autodenominados latinos e 148.789 americanos que se autodenominam de origem européia. Eles usaram amostras de saliva fornecidos pela 23andMe, uma empresa norte-americana dedicada ao diagnóstico genético. As mais de 160 mil amostras foram doados por pacientes após a conclusão de um levantamento e do consentimento de que os dados fossem utilizados para fins de pesquisa.
Eles descobriram que as diferenças regionais na ascendência genética refletiu os eventos históricos, como o início da colonização espanhola, o deslocamento forçado dos nativos americanos nos Estados Unidos ou as ondas de imigração. Por exemplo, a ascendência escandinava foi encontrado em traços genéticos na maioria dos estados, mas compreendeu cerca de 10% da ascendência dos americanos de origem européia que vivem em Minnesota, Dakota do Norte e Dakota do Sul, estados onde foram registradas ondas de imigrantes escandinavos, por exemplo, na segunda metade do século XIX.
Quanto às identidades auto-raciais e étnicas, mais de seis milhões de americanos que se identificam como descendentes de europeus poderiam ter ascendência africana e até cinco milhões de americanos que se autodenominam europeus poderiam ter pelo menos 1% de ascendência indígena.
"Estes resultados sugerem que muitos indivíduos com ascendência afroamericana e indígena passaram para comunidade branca, minando, assim, o uso de rótulos culturais que separam os indivíduos em grupos discretos,  que não se sobrepõem", diz Bryc, acrescentando que, em geral, o conjunto dos  resultados mostram que a ascendência genética "pode ​​ser aproveitada para aumentar o registro histórico e informar sobre os processos culturais que moldaram populações modernas".
Fonte: SINC

Comentários

  1. A pesquisa foi de uma grande importância para os Americanos pois ajudou a ele compreender mais o seu passado histórico-cultural. E mais uma vez, provou que não é por que você é branco, negro ou pardo, que seus ancestrais eram necessariamente da mesma 'cor' que você é hoje. Existe toda uma mistura de gene que nos faz ser como somos e isso vem do nosso passado.
    Com isso, seria impossível dar rótulos as pessoas já que não sabemos dos ancestrais dela para dizer algo com total certeza. É um bom passo para o fim do preconceito inter-racial.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas