Pessoas Que Vivem Com 1 Dólar Por Dia

Fotógrafa americana viajou para 10 países em 4 continentes para registrar o cotidiano das pessoas que vivem com 1 dólar por dia. As imagens são registros impressionantes de uma realidade que muitos desconhecem.

A fotógrafa americana Renée C. Byer, ganhadora do prêmio Pulitzer de 2007, viajou para dez países em quatro continentes para documentar o cotidiano de pessoas que sobrevivem com apenas 1 dólar por dia. O projeto contou com o apoio da The Forgotten International, uma organização sem fins lucrativos de San Francisco, nos EUA, que trabalha para combater a pobreza. Byer testemunhou uma série de dificuldades dos que vivem nesta situação. Em suas fotos, Byer retratou crianças doentes, catando metais em lixões, famílias inteiras sobrevivendo com esmolas, outras famílias cujos chefes eram crianças ou deficientes, ameaças de despejo de imóveis precários, sem água, aquecimento ou energia elétrica. Um livro sobre o projeto "Living On A Dollar A Day" ("Vivendo com Um Dólar Por Dia", em tradução livre) foi publicado pela The Quantuck Lane Press. 
"Fiquei honrada pela elegância, generosidade, força e coragem dos homens, mulheres e crianças trabalhadores que permitiram que eu entrasse nas vidas deles, vidas que eles não escolheram e, frequentemente, não conseguem controlar", disse Byer. As imagens são registros impressionantes de uma realidade que muitos desconhecem, como a foto que mostra a pequena Fati, de oito anos. Ela tem malária e trabalha com outras crianças em um lixão em Acra, Gana. Ela procura metais, como aparelhos eletrônicos jogados no lixo, para revender. 
Em uma das fotos, a fotógrafa registra a família de Hunupa Begum. Byer encontrou Hunupa Begum, 13 anos, pedindo esmolas em Nova Déli e pediu para a menina contar sua história. Hunupa é cega desde os três anos. O irmão, Hajimudin Sheikh, de seis anos, e a mãe, Manora Begum, de 35, também sofrem com problemas graves de saúde. No entanto, a família é feliz por estarem todos juntos. 
A foto que mais impressiona é a da pequena Sangeeta (foto acima). Byer fotografou Sangeeta pela primeira vez quando ela tinha dois anos e pesava apenas quatro quilos. Segundo a fotógrafa, a mãe, que vive na favela Charan, em Dharamsala, Índia, fez a filha passar fome para conseguir mais dinheiro com esmolas e alimentar o resto da família. Desde que a foto foi feita, Sangeeta recebeu ajuda em uma clínica médica móvel mantida por uma instituição de caridade, a Tong-Len Charitable Trust, e está melhorando.
Para ver as fotos, clique aqui
Fonte: MSN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade