Rã Que Dá Luz à Girinos

Pesquisadores descobrem em ilha na Indonésia uma nova espécie de rã com presas que dá luz à girinos em vez de por ovos como fazem normalmente os anfíbios. Há décadas que eles suspeitavam da nova forma de reprodução, mas só agora encontraram a espécie.

Uma equipe internacional descreveu pela primeira vez uma espécie de rã que dá à luz girinos em vez de por ovos, como fazem normalmente os anfíbios. . Batizada de Limnonectes larvaepartus, a nova espécie de anfíbio vive na ilha de Sulawesi, na Indonésia. Quase todas as 6.000 espécies de rãs do mundo usam fecundação externa: a fêmea põe os ovos durante o acasalamento, enquanto o macho libera esperma para fertilizá-los. Esta nova rã é uma das 10 ou 12 espécies que evoluíram para a fertilização interna e, dessas, é a única que dá à luz girinos, em vez de filhotes de rãs ou ovos fertilizados.
O estudo foi divulgado na publicação científica "Plos One" e, segundo os pesquisadores, há décadas que eles suspeitavam desta forma inédita de reprodução em rãs desta família. "Há mais de 40 formas de reprodução em anfíbios, mas este é, obviamente, totalmente único.", disse Ben Tapley, líder da equipe de herpetologia da Zoological Society of London (ZSL), responsável pela descoberta.
Acredita-se que existam até 25 espécies de rãs do gênero Limnonectes em Sulawesi, mas apenas quatro foram descritas até agora - incluindo a nova larvaepartus. Pouco se sabe sobre a biologia dos animais. Uma outra particularidade deste gênero é a presença de presas, projeções gêmeas em suas mandíbulas inferiores semelhantes a dentes, que são usados em combates.
Como os machos conseguem fertilizar óvulos dentro da fêmea ainda é um mistério, porque eles não têm órgãos sexuais convencionais para transferir o esperma. Duas espécies encontradas na Califórnia desenvolveram uma cauda semelhante a um pênis que consegue fazer a fertilização, mas os cientistas não encontraram este artifício nas novas espécies indonésias.
Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas