Biodiversidade:Preservar Pra Que?

Segundo biólogo, a  a extinção de decompositores como os fungos e as bactérias terá efeitos mais dramáticos para o ambiente do que o desaparecimento de certas espécies emblemáticas da conservação como o urso panda e o lobo-guará. Para ele, é preciso tornar ofensivo e de mau gosto o desperdício, a ostentação, diminuindo nossa "pegada ecológica". Não basta argumentos científicos. É necessário mudar comportamentos, com a colaboração de todos os segmentos da sociedade, religiões inclusive. 


Sob o título de "Salvem as bactérias", o biólogo Eurico C. de Oliveira publicou no jornal O Estado de São  Paulo uma matéria enfatizando que a extinção de decompositores como os fungos e as bactérias terá efeitos mais dramáticos para o ambiente do que o desaparecimento de certas espécies emblemáticas da conservação como o urso panda e o lobo-guará. 
Segundo Eurico, a justificativa para todo projeto de levantamento de espécies é apoiada na racional ideia do "conhecer para preservar", o que para ele é um equívoco. De acordo com o pensamento do biólogo, a preservação de espécies carismáticas como o mico-leão, ararinha-azul, pau-brasil, possui um forte apelo popular, mas ignora o principal: que a biodiversidade está concentrada em organismos microscópicos, inconspícuos e poucos conhecidos. A extinção do maravilhoso panda gigante ou da enorme baleia-azul significa pouco em termos de perda de biodiversidade. Precisamos mais de insetos, fungos e bactérias que tartarugas e lobos-guará, serres cuja extinção terá repercussão dramática na biosfera, como fungos decompositores de madeira, bactérias nitrificadoras. Portanto, o foco da preservação deve ser  a paisagem, o bioma , e não uma dada espécie, por mais "simpática" que possa parecer.
E finaliza:"Não é  com catalogação de espécies e transformação do país em uma grande reserva biológica protegida por um exército que legaremos um mundo melhor, mas com o uso parcimonioso dos insumos para uma vida decente, reduzindo o consumo de tudo, água, energia, minerais, alimentos. A insaciedade em consumir viralizou, já é uma patologia. É preciso tornar ofensivo e de mau gosto o desperdício, a ostentação, diminuindo nossa "pegada ecológica". Não basta argumentos científicos. É necessário mudar comportamentos, com a colaboração de todos os segmentos da sociedade, religiões inclusive. A ação do Papa foi mais eficaz que o IPPC."





Leia Mais:http://alias.estadao.com.br/noticias/geral,salvem-as-bacterias,10000001366Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os dias
Siga @Estadao no Twitter

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas