O Peixe Que Troca de Sexo 20 Vezes Por Dia

Peixes da espécie Serranus tortugarum exibem um comportamento sexual incomum. Hermafroditas monogâmicos, esses peixes de apenas 8 cm de comprimento, vivem trocando de sexo com o seu parceiro pelo menos 20 vezes por dia. Em um dado momento, um é macho e o outro é fêmea; depois a situação se inverte sucessivamente. Segundo os pesquisadores esse comportamento é uma estratégia reprodutiva que permite ao casal fertilizar a maior quantidade de ovos que produzem.

Biólogos da Universidade da Flórida (EUA) descreveram um comportamento incomum em peixes da espécie Serranus tortugarum, que habita os recifes de corais do Panamá. Os pesquisadores observaram que os casais desses peixes hermafroditas monogâmicos de apenas 8 cm de comprimento, vivem trocando de sexo com o seu parceiro, pelo menos 20 vezes por dia. Em um dado momento, um é macho e o outro é fêmea; depois a situação se inverte sucessivamente.
Segundo os pesquisadores esse comportamento é uma estratégia reprodutiva que permite a espécie, que é hermafrodita simultânea, fecundar a maior quantidade de ovos que produzem, representando uma vantagem para ela. A procura por um novo parceiro a cada noite é uma perda de tempo e é arriscado para um peixe que vive apenas cerca de um ano. Ter um parceiro seguro pode ajudar a garantir que os indivíduos fertilizem um número semelhante de ovos, em vez de se aventurar com um parceiro que produza menos ovos. O estudo foi publicado na revista Journal of Behavioral Ecology
Os pesquisadores estudaram estes peixes durante seis meses nas águas do Panamá. Para sua surpresa, todos os casais ficaram juntos até que um ou ambos desapareceram do local de estudo. Sabe-se que apenas 3% a 5% dos animais conhecidos vivem em um relacionamento monogâmico. Portanto isso é um pouco difícil de encontrar, especialmente para um peixe que vive em um grupo social de alta densidade, onde há muitas oportunidades de começar uma novo "romance ".
Para saber mais, clique nos links acima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade