A Diferença Não Está Só no Tamanho do Cérebro

Uma equipe internacional de neurocientistas realizou a análise mais completa de amostras de tecido de várias regiões do cérebro de humanos, chimpanzés e macacos e confirmou que a maior diferença com nosso cérebro ocorre na região associada ao movimento e, portanto, ao bipedalismo. O cérebro humano não é apenas uma versão maior do cérebro do primata ancestral, mas acumulou um grande número de diferenças ao longo da evolução.Os cientistas também observaram semelhanças surpreendentes entre as espécies de primatas em termos de expressão gênica em todas as regiões do cérebro estudadas (crédito da imagem: Tambako).

Uma análise dos tecidos dos cérebros humanos, chimpanzés e macacos, publicada esta semana na revista Science , concluiu que o cérebro humano não é apenas uma versão maior do cérebro do primata ancestral, mas acumulou um grande número de diferenças ao longo da evolução. Isso torna o cérebro o órgão principal que dá identidade à nossa espécie.
O estudo analisou 247 amostras de tecido de 16 regiões do cérebro envolvidas em processos comportamentais e cognitivos de alto nível - especificamente, o hipocampo, amígdala, estriado, núcleo dorsomedial do tálamo, córtex cerebelar e onze áreas do neocórtex. As amostras vieram de seis humanos, cinco chimpanzés e cinco macacos.
A análise histológica, liderada por Nenad Sestan, professora da Universidade de Yale (EUA) e pesquisadora do Instituto de Neurociências de Kavli, foi só a primeira parte do trabalho. Depois os pesquisadores fizeram uma análise genética baseado no estudo do transcriptoma das amostras de tecidos e observaram semelhanças surpreendentes entre as espécies de primatas em termos de expressão gênica em todas as regiões do cérebro estudadas. Até mesmo no córtex pré-frontal, a região do cérebro envolvida em aprendizagem de ordem superior que diferencia mais os seres humanos de outros macacos. Em contraste, a área do cérebro humano em que uma expressão gênica mais específica foi detectada foi o estriado, uma região geralmente associada ao movimento e que poderia estar ligada ao bipedalismo.
Os co-autores do estudo, André M.M. Sousa e Ying Zhu, ambos pesquisadores do laboratório de Sestan, concentraram-se no gene TH, envolvido na produção de dopamina, um neurotransmissor com papel fundamental na função de ordem superior e que está ausente em pessoas afetadas pela doença de Parkinson.
Sousa e Zhu observaram que, enquanto o gene estava altamente expresso em uma população rara de neurônios que inibiam o neocórtex e o estriado em seres humanos, não aparecia no neocórtex do cérebro humano. Segundo Sousa, "a expressão desse gene no neocórtex provavelmente foi perdida em um antepassado comum e reapareceu na linhagem humana".
A pesquisa também encontrou altos níveis de expressão do gene MET, ligados à desordem do espectro autista, no córtex pré-frontal humano em comparação com os três primatas estudados.
Para saber mais, clique nos links acima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

A Importância Ecológica das Baratas

Sensibilidade e Especificidade