O Uso Farmacológico das Cápsulas Bacterianas

Algumas espécies bacterianas têm pequenas cápsulas de proteína dentro das quais ocorrem certas reações. Estes compartimentos são chamados de encapsulinas e atuam como semiorganelas bacterianas. Recentemente, uma equipe de cientistas europeus conseguiu decifrar essas estruturas com técnicas de criomicroscopia eletrônica e mostrar que as encapsulinas podem ser úteis em aplicações biotecnológicas, como biossensores ou veículos para a liberação controlada de fármacos. Os resultados sugerem que as encapsulinas podem ser úteis como agentes terapêuticos, biossensores, biorreactores ou outras  aplicações de nanotecnologia, e ainda demonstraram ser robustas, estáveis e funcionais, tanto in vitro e in vivo (Crédito da imagem: ACSNano)

Algumas espécies bacterianas têm pequenas cápsulas de proteína dentro das quais ocorrem certas reações. Estes compartimentos são chamados de encapsulinas e atuam como semiorganelas bacterianas. Recentemente, uma equipe de cientistas europeus conseguiu decifrar essas estruturas com técnicas de criomicroscopia eletrônica e mostrar que as encapsulinas podem ser úteis em aplicações biotecnológicas, como biossensores ou veículos para a liberação controlada de fármacos. 
Os resultados publicados na revista ACS Nano sugerem que as encapsulinas podem ser úteis como agentes terapêuticos, biossensores, biorreactores ou outras aplicações de nanotecnologia, e ainda demonstraram ser robustas, estáveis e funcionais, tanto in vitro e in vivo .
Uma das características mais relevantes das encapsulinas é a sua porosidade. Os orifícios de alguns nanômetros na superfície permitem que moléculas menores entrem e saiam livremente. As proteínas maiores  ficam confinadas no seu interior, onde realizam certas reações.
Para estudar sua funcionalidade como nanorreactores, os cientistas imobilizaram as encapsulinas em uma superfície de cristal. Ao adicionar os substratos apropriados ao meio, a proteína incluída dentro dele manteve intacta sua capacidade de realizar a reação esperada. O segundo experimento foi realizado com encapsulinas portadoras de uma proteína fluorescente facilmente detectável. Quando cultivados em conjunto com macrófagos, as encapsulinas foram internalizadas pelas células.
Os cápsideos de vírus e outras nanoestruturas de proteínas já foram amplamente estudadas como veículos ou biorreatores. No entanto, este estudo é um dos primeiros trabalhos que focam a atenção em encapsulinas.
Para saber mais, clique nos links acima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

A Importância Ecológica das Baratas

Sensibilidade e Especificidade