Senescência Celular: Por Que As Células Envelhecem?


Os telômeros, estruturas localizadas no final dos cromossomos registram, com a precisão de um relógio celular, a quantidade de vezes que as células podem se dividir

As células humanas possuem um número finito de vida, ou seja, dividem um número determinado de vezes, mudam de forma e, eventualmente, param de se dividir, um fenômeno chamado "senescência celular".
Os biólogos sabem que um relógio celular, composto de estruturas no final do cromossoma conhecidas como telômeros, registra quantas "vidas" uma célula tem dispendido. Entretanto, até agora, os pesquisadores ainda não definiram como esses sinais de relógio demarcavam o esquecimento celular.

Jan Karlseder, do Instituto Salk para Estudos Biológicos explica que cada vez que uma célula se divide, "tampas" protetoras, presentes na ponta dos cromossomos (pontos vermelhos e verdes), sofrem corrosão. Como os telômeros se desgastam, seu DNA sofre grandes mudanças na maneira de ser embalado. Essas mudanças provavelmente desencadeiam o que chamamos de "envelhecimento".

"Antes deste estudo, sabíamos que telômeros ficam mais curtos quando uma célula se divide, e que quando chegam a um comprimento crítico, as células param de se dividir ou morrem", disse Karlseder.
Karlseder e seu colega Roddy O'Sullivan compararam os níveis de proteínas histonas em células jovens que tinham se dividido 30 vezes com células "de meia-idade" que tinham se dividido 75 vezes e acrescentaram no slide para a senescência, que ocorre em 85 divisões. Proteínas histonas se ligam a filamentos de DNA linear e os comprime em complexos nucleares, coletivamente denominados cromatina.
Os pesquisadores descobriram que as células do envelhecimento apresentam menos proteína histona do que as células jovens. "Ficamos surpresos ao descobrir que os níveis de histona diminuíram nas células envelhecidas", disse O'Sullivan. "Essas proteínas são necessárias ao longo do genoma e, portanto, qualquer evento que perturbe esta linha de produção afeta a estabilidade do genoma inteiro".
A equipe então compararam a perda de histonas em jovens versus envelhecimento de células e confirmou que diferenças significativas entre a abundância e variedade de histonas eram evidentes em cada passo que as células se moviam através da divisão celular.
O início de doenças associadas ao envelhecimento, como câncer, é largamente atribuído à DNA, ou a danos genéticos. Mas este estudo sugere que o envelhecimento em si é infinitamente complexo: o encurtamento dos telômeros acelera o envelhecimento cromossômico progressivo mudando a maneira como os genes se entrelaçam com as histonas, chamado " mudanças epigenéticas".
Experiências nas quais a equipe reforçou o envelhecimento celular confirmou que os sinais emitidos pelos telômeros provocou mudanças epigenéticas. Quando as células do envelhecimento foram projetadas para expressar telomerase, enzima que restaura os telômeros, algumas células rejuvenescidas apresentaram níveis de histona reminiscência e um retorno parcial a um perfil de cromatina jovem.
No entanto, os pesquisadores alertam que o alongamento dos telômeros pode ativar o crescimento celular, gerando as chamadas células imortais. "Um passo para o desenvolvimento de células cancerígenas".
Até agora, os pesquisadores focaram a pesquisa nas interações entre os telômeros e mecanismos de reparo do DNA. Planejam agora pesquisar os resultados no campo da epigenética. "Vamos continuar a analisar as mudanças epigenéticas em células em diferentes idades", diz Karlseder. "Queremos agora determinar se as alterações da histona seguem um processo linear".

Fonte: Isaude

Comentários

  1. Maneiro me ajudou muito com um trabalho de biologia... Valeu.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante, gostaria de saber mais afundo sobre esse tema. Me parece possível a imortalidade biológica.

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante, gostaria de saber mais afundo sobre esse tema. Me parece possível a imortalidade biológica.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas