Vespa-do-Mar: A Água-Viva Mais Letal do Planeta

Vídeo mostra o mecanismo de ação da vespa-do-mar, a água-viva australiana que possui o veneno mais potente do mundo, bem como os primeiros socorros que devem ser aplicados à vítima em caso de contato com este animal

Vespa-do-mar (Chinorex fleckeri) é um cnidário marinho da classe dos cubozoários e da ordem das cubomedusas. Seus tentáculos, devido à presença de nematocistos, podem causar ferimentos letais em banhistas. Elas costumam viver nas costas australianas, o veneno delas é tão poderoso que pode matar uma pessoa em 2 minutos, o que torna o resgate muito difícil, na verdade ela carrega veneno suficiente para aniquilar aproximadamente 60 homens. Seu veneno é 500 vezes mais potente que a caravela portuguesa.
Elas são um tipo de medusa, que só vive nas águas do Oceano Pacífico, seus tentáculos medem até 5 metros, e seu corpo é do tamanho de uma bola de basquete. Seu veneno é liberado ao mínimo contato com a pele, ele se dissolve nos glóbulos vermelhos do sangue, causando parada cardíaca e respiratória.
O veneno pode ser disparado ao menor contato com os tentáculos(através das cnidas), mesmo que estes já não estejam mais ligados ao corpo da água viva.
Ela provoca um impressionante colapso generalizado na vítima: a respiração se descontrola, o sistema linfático cessa, a pessoa desmaia e o coração começa a bombear intensamente até que, anestesiado, pará também de funcionar.
Todos recomendam a respiração artificial e massagem cardíaca, como ítens de primeiros socorros e a aplicação imediata de vinagre no local do ataque para parar a injeção local de toxinas. Mesmo recebendo tratamento imediato, três a cada dez pessoas morrem.As que não morrem podem sentir dores por mais de semanas e ficarão com cicatrizes para o resto de sua vida. Mas quem está nadando sozinho(a) tem a chance de 0% de sobrevivência!

Assista o vídeo que mostra  a vespa-do-mar em ação clicando aqui
Saiba mais sobre águas-vivas no Biorritmo:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas