Índios Com Mestrado Em Sustentabilidade

Primeiro grupo de 13 indígenas conclui curso de 22 meses criado na Universidade de Brasília em 2010 e desenvolve estudos para trabalhar a sustentabilidade nas terras, nas aldeias e junto do próprio povo

Filho de cacique, Ywmonyry, da comunidade Apurinã — localizada no sul do Amazonas — nasceu para ser caçador e viver na floresta. Mas, aos 10 anos, saiu da tribo e iniciou os estudos na cidade de Boca do Acre (AM). Ganhou um novo nome, dado pelo homem branco: Francisco de Moura Cândido. Sofreu discriminação, pensou em desistir, mas continuou. 
Depois de ter concluído o ensino médio, em Roraima, graduou-se e, no mês passado, aos 39 anos, entrou para a história da Universidade de Brasília (UnB). Faz parte do primeiro grupo de 13 índios a concluir o mestrado em sustentabilidade junto de povos e terras indígenas. Uma iniciativa pioneira da instituição por disponibilizar 50% das vagas do curso para eles, trabalhar a sustentabilidade de forma insterdisciplinar e ter a participação de professores daquela raça no programa. 
Criado em 2010 pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB, a seleção para integrar o grupo de novos mestres foi a mais concorrida da pós-graduação nos últimos tempos: cerca de 170 candidatos disputaram 26 vagas: 13 para índios e outras 13 para não índios que trabalham no setor. “É o primeiro mestrado que tem características de reservas de vagas para esse público e que tem a questão indígena como foco”, ressalta a coordenadora pedagógica do programa, Mônica Nogueira. 
Cinco estudantes defenderam a dissertação em dezembro, e o segundo ciclo de apresentações será concluído no fim de janeiro. “A expectativa é de que esses profissionais produzam teorias e técnicas novas, além de diferentes formas de conhecimento”, espera a coordenadora. 
Com o trabalho “BR-364: análise da sustentabilidade das medidas mitigatórias e compensatórias na terra indígena Colônia 27 no estado do Acre”, Francisco de Moura Cândido pretende manter a pesquisa realizada há 12 anos em diversos povos. “O Acre tem 37 terras indígenas e 209 aldeias, tenho o privilégio de conhecer todas. A experiência fundamentou meu mestrado e ajudará a estabelecer o diálogo entre o científico e o cultural”, analisou. 
A partir do estudo, avaliou os pontos positivos e os negativos nas compensações decorrentes do estudo e produziu alternativas. “Quando se fala em medidas de mitigação e compensação, entende-se que são ações pontuais, mas é necessário ter ações continuadas. Não adianta construir uma escola, por exemplo, e não qualificar professores”, exemplifica. “Como índio, lutarei por isso porque essa é a melhor maneira de ajudar o meu povo. Nasci para ser caçador, mas, por meio dos estudos e da qualificação, encontrei a maneira de fazer a diferença”, completou. 
Francisco enfrentou um curso com duração de 22 meses e carga horária de 420 horas. Estudou com alunos de perfis e ideais parecidos. Os mestrandos trabalham em consultorias, órgãos do governo ou com as aldeias, e o programa fornece instrumentos para quem atua em defesa dos interesses indígenas. Ele contou com a participação de lideranças como pajés e caciques, além de professores doutores da UnB, entre outros.
Fonte: Correio Brasiliense

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade