Por Que Só Os Seres Humanos Choram?

Cientistas procuram novas respostas para velhos questionamentos acerca da capacidade exclusiva de chorar dos seres humanos. Qual seria a função biológica do choro e por que só a espécie humana chora de alegria ou tristeza?

Nas últimas décadas, os cientistas têm oferecido vários relatos de como a capacidade de chorar pode ter dado aos primeiros hominídeos uma vantagem adaptativa. Estes vão desde a teoria do macaco aquático, segundo a qual as lágrimas eram uma adaptação à vida na água salgada, até a noção de que, vertendo lágrimas nossos olhos podem servir como uma espécie de "bandeira branca" para potenciais agressores - um sinal de que o oponente é incapaz de causar dano. Depois vieram as teorias biológicas mais ortodoxas, tais como a afirmação de que as lágrimas evoluíram para manter o olho úmido e livre de bactérias nocivas.
Mas talvez a teoria que desfruta de maior cartaz no momento é a noção de que as lágrimas são uma forma de sinalização social que evoluiu a partir de chamadas de socorro de mamíferos - um claro sinal visual em outras palavras que alguém está com dor ou perigo e precisa de ajuda.
"As lágrimas são altamente simbólicas", diz Ad Vingerhoets, psicólogo holandês que passou 20 anos estudando o porquê e quando choramos. "Eles sinalizam desamparo, especialmente durante a infância, quando os humanos estão no seu estado mais vulnerável."
Vingerhoets não é o único pensador a apontar para o significado social das lágrimas. O psiquiatra John Bowlby há muito tempo destacou o papel do choro em estreitar a ligação entre mãe e filho, enquanto o neurologista britânico Michael Trimble recentemente associou o choro à capacidade humana de empatia - daí a nossa propensão a chorar durante a uma música inspiradora.
No entanto, em seu novo livro Por que só os humanos choram , Vingerhoets argumenta que nenhuma dessas explicações é suficiente. Apesar do choro ter sido documentado em macacos, elefantes e até camelos, parece que apenas os seres humanos produzem lágrimas emocionais, e é somente em seres humanos que os comportamentos de choro persistem na idade adulta. O desafio é explicar este fato, uma vez que o choro também sinaliza a nossa presença para os predadores.
A explicação de Vingerhoets para isto é um tanto romântica: embora o pranto possa ser arriscado em  determinadas situações,  ele sugere que é muito menos arriscado chorar do que gritar ou emitir algum outro sinal acústico mais alto. Isto é particularmente verdadeiro no caso de interações de proximidade, tal como as que ocorrem durante o período prolongado da infância humana, quando uma lágrima pode ser tudo o que  há para alertar a mãe para o sofrimento do bebê.
"Quando os outros animais envelhecem, a maioria já não emitem sinais de socorro, presumivelmente porque é muito perigoso, diz Vingerhoets." Por outro lado, nos seres humanos, há uma mudança do sinal acústico para o sinal visual das lágrimas ,  o que também serve para estreitar ainda mais os laços de intimidade "
Em apoio a sua teoria Vingerhoets ressalta o córtex visual mais alargado dos seres humanos e primatas do velho mundo - uma estrutura, argumenta ele, que provavelmente evoluiu para ler as nuances da musculatura facial e outros fortes indícios visuais, tais como lágrimas e rubor. Além disso, o choro é uma expressão emocional que sinaliza apaziguamento e súplica em adultos - algo que ele acredita ter sido vantajoso no início das comunidades humanas, como forma de promover uma maior confiança mútua e conexão social.
Mas é claro que o choro não está associado apenas com a necessidade humana de socialização. Lágrimas também pode ser um significado moral, como diante de uma situação de injustiça. Além disso, como o historiador cultural Thomas Dixon aponta , as lágrimas estão associados às vezes com alegria e êxtase, em vez de dor e tristeza.
Para Vingerhoets o choro é tanto um produto de processos neurofisiológicos involuntários como de cognição. Às vezes, como quando choramos enquanto descascamos uma cebola, as lágrimas podem não significar nada, em outros momentos eles podem ser uma expressão de profunda dor e tristeza.
Mais do que qualquer outra forma de expressão emocional, as lágrimas também estão sujeitos às mudanças históricas e culturais, simbolizando piedade e sensibilidade em uma determinada época e histeria e fraqueza em outra.
Fonte: The Guardian (adaptado)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade