"Cobras Voadoras"

Apesar de soar estranho, existem cobras consideradas voadoras. Elas não possuem asas ou braços, mas são os únicos animais nessas condições que conseguem planar no ar por distâncias de até 100 metros. Esse movimento desperta a curiosidade de muitas pessoas e gerou muito interesse dos cientistas

Todo mundo se pergunta se existem realmente cobras voadoras ou se tudo não passa de mais uma montagem fantástica desses vídeos especialmente produzidos para "bombar" na internet. Embora já conheça o famoso ditado "Deus não dá asa à cobra", também fiquei intrigado com um vídeo que assisti na rede e fui atrás de respostas. Encontrei no site Mundo Estranho da Editora Abril. Veja a resposta que eles deram para a pergunta "É verdade que existem cobras voadoras?'

" Algumas serpentes realmente são chamadas assim, mas, na verdade, elas não voam e sim planam. Essas espécies de cobras, encontradas apenas nas florestas tropicais do Sul e Sudeste da Ásia, são capazes de percorrer no ar distâncias de mais de 100 metros, fazendo curvas de 90 graus durante a trajetória. Mas elas não conseguem decolar do chão, por isso, tecnicamente não voam. Para planar, as serpentes têm que partir de um lugar alto, como copas de árvores, além de modificar suas formas para melhorar a aerodinâmica. 'Quando ela está no ar, o corpo fica completamente achatado, assemelhando-se ao aerofólio de um carro', diz o biólogo Jake Socha, da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, um dos maiores especialistas do mundo nesses animais. O que os cientistas como Socha até hoje ainda não conseguiram explicar é o motivo que faz as cobras arriscarem essas peripécias aéreas.
Uma das hipóteses é que elas planam ao fugir de predadores - macacos e outras cobras - e ao perseguir suas presas - pequenos lagartos, pássaros, sapos e morcegos. Outra tese é de que elas usam o recurso simplesmente para se deslocar de um lugar a outro. Existem no mundo cinco espécies de cobras voadoras, todas do gênero Chrysopelea. A menor delas (Chrysopelea ornata) mede 60 centímetros e a maior (Chrysopelea pelias), 1,20 metro. Mas nem mesmo esta grandona ameaça as pessoas. 'Essas cobras têm pequenas presas no fundo de suas bocas e injetam um pouco de veneno, mas são inofensivas para os seres humanos', afirma Socha, que já foi picado várias vezes por elas."
Agora que você já sabe que essas cobras não possuem braços e nem asas e que são, na verdade, cobras planadoras, vai ficar por dentro de uma novidade científica envolvendo esse tipo de cobra.
Cientistas da Universidade George Washington, também nos EUA, estudam os “voos” das cobras para tornar sistemas de energia eólica ainda mais eficientes. A equipe liderada pela Dra. Lorena Barba, professora de engenharia mecânica e espacial, utiliza programas de computador que analisam cada detalhe da aerodinâmica das cobras, transforma tudo em gráfico e ainda possibilita que cada um dos movimentos sejam estudados nos mínimos detalhes.
“A esperança é de que ao entender esse mecanismo aerodinâmico, então talvez possamos encontrar outras aplicações em que ele seria útil”, explica a pesquisadora, em declaração oficial. Ela ainda acredita que a explicação para o voo da serpente pode ajudar a solucionar problemas reais.
“Não é impossível pensar que nossa compreensão sobre esse movimento em particular poderia nos levar, por exemplo, a criar um tipo diferente de fluxo de ar ideal para a captação de energia ou de uma nova turbina eólica, quem sabe”, finaliza a cientista.

Assista ao vídeo da National Geographic que mostra o "voo" da cobra voadora


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade