As Borboletas de Fukushima

 Larvas de borboleta da espécie Zizeeria maha que ingeriram folhas expostas à radioatividade após o acidente nuclear no Japão, em 2011, são mais propensas a ter anomalias e morte precoce, de acordo com cientistas japoneses.

As consequências para o meio ambiente e a biodiversidade do acidente ocorrido na usina nuclear de Fukushima em 11 de Março de 2011, continuam sendo objeto de vários estudos. Um deles está sendo realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Ryukyu em Okinawa (Japão), a qual pesquisou os efeitos da contaminação radioativa da central nuclear sobre borboletas da espécie Zizeeria maha,  um pequeno lepidóptero de cor cinza-azulada muito comum na Ásia .
Segundo explicou à Agência Sinc,  Joji Otaki,  principal pesquisador do estudo publicado esta semana na revista Scientific Reports, o acidente contaminou as plantas das quais se alimentam essas borboletas. "Nosso trabalho mostra que o impacto biológico aumenta rapidamente na baixa ingestão dessas plantas na curva de dose-resposta projetada para esta borboleta."
Para realizar a pesquisa, os cientistas alimentaram larvas de Zizeeria maha com folhas de plantas contaminadas por radioatividade em Okinawa, uma cidade situada a cerca de 1.600 quilômetros ao sul da usina de Fukushima. As borboletas utilizadas no experimento não tinha bioacumulação prévia de materiais radioativos, esclarece Joji Otaki.
O autor enfatiza que, à luz dos resultados, "o consumo de folhas de plantas com níveis relativamente baixos de césio artificial emitida pela planta tem efeitos mensuráveis ​​sobre a sobrevivência, crescimento e desenvolvimento destas borboletas."
Pesquisas anteriores já haviam indicado que a exposição a materiais radioativos de Fukushima podem ter efeitos fisiológicos e genéticos neste animal. A equipe de Joji Otaki agora está focada nas consequências biológicas do acidente.

Confira o estudo original:
Chiyo Nohara, Atsuki Hiyama, Wataru Taira, Akira Tanahara, Joji M. Otak. “The biological impacts of ingested radioactive materials on the pale grass blue butterfly”. Scientific Reports. 15 de mayo de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade