Uma Planta Contra o Câncer

A droga anti-cancerígena taxol foi descoberta na década de 70 inicialmente em uma planta chamada teixo-do-pacífico e é usada atualmente no tratamento do câncer de mama, ovários e certos tumores de pulmão. Conheça a história dessa descoberta.

O trabalho dos botânicos não é nada fácil e, ainda por cima, pouco reconhecido. Tanto que o romancista francês do século 19, Alphonse Karr, dizia que a botânica não era ciência e sim a arte de insultar as plantas em grego e latim.  Alheio a essa injúria, no início dos anos 60 o botânico Arthur S. Barclay quando visitava o monte Santa Helena, situado no noroeste dos Estados Unidos, coletou cascas de teixo-do-pacífico (Taxus brevifolia), uma árvore de cerca de 12 metros, nativa desta região da América do Norte. 
Hoje, milhões de pessoas devem suas vidas ao gesto de Barclay e ao trabalho daqueles que vieram depois dele. O botânico fazia parte de um programa do Instituto Nacional do Câncer dos EUA para estudar a  possível atividade antitumoral de cerca de 35.000 espécies de plantas. E em 1963, o químico Monroe Eliot Wall tinha descoberto que o extrato da casca de teixo-do-pacífico possuía efeitos anticancerígenos poderosos.
O problema do composto recém-descoberto, conhecido como paclitaxel, foi a sua escassez . A casca de uma árvore de 12 metros apenas serviu para produzir meio grama da subastância. Considerando o fato de que para obter esse 0,5 g do composto você teve que derrubar uma árvore que levou 200 anos para atingir o estágio adulto, pois a substância é encontrada somente na casca da árvore. Calcula-se que para se obter 25 kg de taxol puro precisa-se sacrificar 38.000 árvores. Para fugir dessa controvérsia ambiental envolvendo a extração do paclitaxel, a Bristol-Myers Squibb, uma indústria farmacêutica americana, desenvolveu um sistema alternativo para a extração do composto a partir de outro material semelhante e mais abundante do que o teixo-do- pacífico presente no teixo europeu. 
Os cientistas sabiam que, ao contrário do paclitaxel, que é encontrado em quantidades pequenas em plantas pouco comum, um composto relacionado conhecido como 10-desacetilbacatina (10-DAB) pode ser isolado em uma escala muito maior a partir dos espinhos do arbusto do teixo-inglês-comum (Taxus baccata). Com o tempo, eles descobriram como fazer o paclitaxel um produto comercialmente viável. Eles o fizeram através do desenvolvimento de um processo de quatro etapas para converter 10-DAB para taxol em alto rendimento sem a necessidade de cortar as árvores ao longo do caminho. A empresa, então, registrou o composto sob o nome comercial de Taxol e as autoridades americanas aprovaram sua comercialização em 1992. Em 2000, as vendas ultrapassaram 1 milhão e meio de dólares por ano.
Hoje, o paclitaxel é ainda usado para tratar o câncer da mama, dos ovários e certos tipos de tumores do pulmão . E a ciência que começou com a coleta por um botânico de uma casca de teixo-do- pacífico não parou. Atualmente, a biofísica espanhola Eva Nogales conseguiu desvendar em seu laboratório o mecanismo de ação doTaxol nas células cancerosas. 
Até o momento, o mecanismo de ação de Taxol era mais ou menos conhecido. Agora, a equipe de Eva Nogales foi muito mais longe, mediante a um estudo de criomicroscopia eletrônica , uma técnica que permite congelar estruturas para estudá-las a nível quase atômico, a temperaturas de cerca de 180 graus negativos.
O estudo publicado na revista Cell esta semana, fornece novos detalhes sobre a montagem e desmontagem dos microtúbulos, minúsculas fibras de uma proteína chamada tubulina, os quais desempenham um papel crucial na divisão celular. A separação dos cromossomos e a sua distribuição para as células-filhas é realizada pela movimentação dos microtúbulos, consequência do alongamento e encurtamento de seus filamentos. O taxol impede ou retarda significativamente a divisão celular não controlada, que é o câncer,  através da ligação a um dos microtúbulos de tal maneira a bloquear os efeitos de hidrólise dos nucleotídeos, "congelando" as fibras protéicas.
Fonte: Materia

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas