Comendo e Perdendo Peso

Pesquisadores da Universidade de São Paulo buscam entender o mecanismo pelo qual ratos submetidos ao chamado "jejum intermitente" perdem peso mesmo não realizando qualquer atividade física

Na década de 30 o bioquímico Clive McCay fez uma observação interessante: ratos que foram mantidos em uma dieta de baixa caloria viveram mais tempo do que os ratos que tinham acesso irrestrito aos alimentos. Nos próximos anos, essa observação aparentemente contra-intuitiva foi estendida para praticamente todos os animais, incluindo vermes, moscas e outros roedores. Importante notar que, a restrição da quantidade total de calorias parece servir não só para aumentar a vida útil, mas também para melhorar a saúde geral do indivíduo e para retardar o aparecimento de doenças neurodegenerativas e outras condições patológicas relacionadas com o envelhecimento.
Embora o protocolo original seguido por McCay consistiu exclusivamente na redução da quantidade de calorias totais na dieta, mantendo os níveis de micronutrientes para evitar a desnutrição, um protocolo alternativo denominado "jejum intermitente" logo foi adotado com resultados semelhantes. O protocolo consiste em ciclos em que os animais comem a cada dois dias: eles primeiro têm livre acesso aos alimentos por 24 horas, e, em seguida, são mantidos em jejum estrito pelas próximas 24 horas. Uma observação interessante é que os animais submetidos a esta dieta perdem peso, apesar do fato de a quantidade de alimentos ingeridos, a longo prazo, ser idêntica à dos animais controles. Ratos, como tudo o mais no universo, têm que obedecer à primeira lei da termodinâmica, que estabelece que a energia não é criada nem destruída. Se eles comem a mesma quantidade de alimentos e não estão engordando, para onde vai essa energia?
Recentemente, um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo procuraram esclarecer os mecanismos moleculares por trás dessas observações. Para isso, eles alimentaram ratos por três semanas, quer seguindo uma dieta normal de laboratório (acesso sem restrições aos alimentos), quer um protocolo de jejum intermitente, como o descrito acima. Eles observaram que os ratos controle comeram apenas 20% a mais do que os animais em dieta, mas o seu ganho de peso foi mais que o dobro.
Se os animais em jejum intermitente comem aproximadamente o mesmo, mas pesam menos, a explicação mais simples seria que eles estão assimilando menos nutrientes. Eles verificaram que o peso total das fezes desses animais foram semelhante, mas que tinha um teor de 15% mais elevado de ésteres de colesterol e triglicéridos.
Além de excreção, os animais também podem dissipar energia na forma de calor. Uma explicação simples é que talvez animais em jejum intermitente se movimentariam mais e queimariam mais calorias devido ao aumento da atividade física. Relatos anteriores indicam que os animais com dietas restritivas são muitas vezes mais ativos, o que se acredita ser uma característica evolutiva conservada. Mas isso não foi o caso neste modelo, onde os animais em jejum intermitente apresentaram taxas de atividade espontânea semelhantes ou mesmo inferiores a dos controles .
Então, se os animais não estavam fazendo exercícios, outra possibilidade é que a dieta induziu uma mudança metabólica nas células para torná-las menos eficiente: quando os nutrientes são convertidos pelas células em moléculas aproveitáveis, uma certa quantidade de energia é sempre liberada na forma de calor e, se a conversão é ineficiente esta quantidade aumenta. Um bom tecido para testar esta hipótese é o tecido muscular, uma vez que os músculos são responsáveis por uma grande proporção da energia consumida pelo corpo. E em que local exatamente no músculo? A maior parte da energia obtida pelas células é produzida nas suas mitocôndrias, as chamadas "centrais de energia da célula".
Para compreender a razão pela qual a eficiência energética entre os dois grupos foi aparentemente similar, os pesquisadores resolveram fazer um experimento. Usaram gaiolas especiais que medem a quantidade de oxigênio consumido pelos animais e quanto CO2 é liberado. Em dias de jejum, ratos em jejum intermitente consumiram a mesma quantidade de oxigênio, mas liberam menos CO2, o que indica que eles usaram lipídios preferencialmente aos carboidratos . Por quê? Porque lipídios são moléculas mais reduzidas que os carboidratos e exigem maiores quantidades de oxigênio para ser totalmente oxidadas por molécula de CO2 liberado. Isto é consistente com outra observação feita sobre estes animais: os níveis de triglicerídeos hepáticos são maiores que o dobro em dias de alimentação em comparação com os dias de jejum. Por outro lado, nos dias de alimentação, animais em jejum intermitente consomem mais oxigênio e liberam mais CO2 (como esperado, uma vez que eles comem em excesso), sem mudanças na taxa de proporção de oxigênio consumido/CO2 liberado, mas com o aumento da temperatura corporal. O que isto significa? Essa gordura e carboidratos são usados ​​na mesma proporção que os controles, mas parte da energia obtida está sendo liberada na forma de calor .
Finalmente, o padrão de consumo excessivo de comida (overeating) foi estudado, o qual foi feito através da medição da expressão de neurotransmissores no hipotálamo, região do cérebro onde o apetite é controlado pelo organismo. Existem dois tipos de neurônios envolvidos no controle do apetite: orexígenos, que quando estão ativos promovem a fome e a ingestão de alimentos, e anorexígenos, que induzem saciedade, e para cada tipo há neurotransmissores específicos. Como esperado, os animais em jejum intermitente tinham níveis mais elevados de moléculas orexígenas durante o jejum, o que indica que eles estavam com fome. Mas, surpreendentemente, essas moléculas foram também aumentadas em dias de alimentação, o que significa que os ratos sentem fome mesmo depois de se empanturrar .

O quadro que emerge disso tudo é que os animais em jejum intermitente conseguem se manter magros comendo um pouco menos, assimilando pior os nutrientes dos alimentos, liberando mais calor nos dias de alimentação, utilizando gordura em vez de carboidratos em dias de jejum, e estar sempre com fome. É tentador querer extrapolar essas observações para os seres humanos: é uma boa ideia jejuar todos os dias para perder peso? Lembre-se que os resultados da ciência básica deve ser sempre tomados com cautela, uma vez que seu objetivo é tentar compreender os mecanismos moleculares, ao invés de descobrir tratamentos milagrosos, e modelos animais são apenas isso: modelos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas