O Gene da Monogamia

Segundo pesquisadores suecos, a propensão de um homem ser monogâmico, ou seja, dedicar-se a uma única parceira, pode ser determinada geneticamente. Variações numa seção do gene que codifica um receptor do hormônio vasopressina seriam responsáveis pela tendência à monogamia ou a promiscuidade em seres humanos. 

O pesquisador Hasse Walum e seus colegas do Instituto Karolinska , em Estocolmo, na Suécia, analisaram as várias formas do gene que codifica um receptor de vasopressina em 552 pessoas da população sueca, todos em parcerias heterossexuais, e descobriram algo interessante sobre a monogamia na espécie humana. Segundo eles, variações em uma seção desse gene ajudam a determinar se os homens apresentam tendências a levar a sério o seu compromisso matrimonial sendo maridos dedicados ou se têm aversão ao compromisso e preferem a promiscuidade.
Há especulações sobre o papel do hormônio vasopressina em humanos desde que se descobriu que variações onde os receptores para o hormônio são expressos fazem com que ratos silvestres sejam estritamente monogâmicos, mas também fazem com ratazanas-do- prado sejam  promíscuas.
Os pesquisadores investigaram também a qualidade dos relacionamentos e descobriram que a variação em uma seção do gene chamado RS3 334 está a forma como os homens estabelecem vínculo com as suas parceiras. Os homens podem ter nenhuma, uma ou duas cópias da seção RS3 334, e quanto maior o número de cópias, os homens são piores na pontuação em uma medida que estabelece o grau de ligação entre os casais.

Não é só isso . Segundo o  estudo, os homens com duas cópias do RS3 334 eram mais propensos a ser solteiros ​​do que os homens com uma ou nenhuma , e se eles se casaram , eles foram duas vezes mais propensos a ter uma crise conjugal.
Levando em conta que todos os pesquisados ​​já estavam em seus relacionamentos durante pelo menos cinco anos, a equipe sugere que ter várias cópias de alguma forma contribui para problemas de compromisso em homens. Como os resultados foram coletados para um estudo diferente, a equipe não conseguiu entrevistar os homens e saber deles se eles eram realmente fiéis, diz Wallum .
A forma como várias cópias de RS3 334 afetam a expressão do receptor da vasopressina - e os  nossos relacionamentos mais íntimos - ainda não está exatamente esclarecida. Em alguns animais , a teoria é que o cérebro tem dois sistemas "motivacionais" : um para a recompensa e outro para a percepção social. Em ratos silvestres e saguis , receptores para os dois sistemas estão localizados em células adjacentes, por isso a atividade social é altamente gratificante, levando a monogamia. 
Os efeitos sociais do RS3 334  vão além da ligação entre casais . No início deste ano , a seção de mesmo gene foi estudada por afetar a sinalização em amígdalas das pessoas , numa pesquisa relacionada ao grau de confiança. Outro estudo descobriu que as pessoas com autismo , que é caracterizado por comportamento social incomum, muitas vezes têm várias cópias de RS3 334.
Fonte: NewScientist

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade