Micropigs: as Novas Estrelas dos Pet Shops

Um instituto de pesquisas genômicas avançadas da China resolveu vender microporcos criados como modelo para pesquisa de doenças humanas em laboratório como animais de estimação. Apesar das polêmicas, os micropigs fizeram muito sucesso entre os participantes numa reunião de cúpula em Shenzhen

Quem gostaria de ter um microporco como um pet? Com as novas técnicas de edição genômica é possível anular uma das cópias do gene responsável pelo receptor do hormônio do crescimento (GHR) e produzir animais que não crescem, assim como os bonsais.
Um instituto chinês de genômica, famoso por pesquisas genéticas de ponta, chamado BGI, apresentou num comitê internacional de biotecnologia, em Shenzhen, porcos minúsculos resultantes como subproduto de suas pesquisas com sequenciamento genético. Criados originalmente como modelos para pesquisas em doenças humana, os micropigs resultaram da aplicação de técnicas de edição gênica em uma raça pequena de porcos conhecida como Bama. Semana passada, durante a Reunião de Líderes Internacionais em Biotecnologia de Shenzhen, na China, a BGI revelou que vai começar a vender os porcos como animais de estimação. Os animais pesam cerca de 15 kg quando adultos, ou aproximadamente o mesmo que um cão de tamanho médio.
A decisão de vender os porcos como animais de estimação surpreendeu Lars Bolund, um médico geneticista da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, que ajudou a BGI para desenvolver o seu programa de edição de gene de porcos, mas ele admite que o animaizinhos roubaram a cena na reunião de cúpula de Shenzhen.
Para conseguir os micropigs a partir de porcos normais, BGI fez suínos de células clonadas retiradas de um feto de porco Bama. Mas antes de começarem o processo de clonagem, eles usaram uma técnica conhecida como TALENS para desativar uma das duas cópias do gene do receptor de hormônio de crescimento (GHR) nas células fetais. Sem o receptor, as células não recebem o sinal de "crescer" durante o desenvolvimento, resultando em suínos com baixa estatura.
Pequenos machos sem GHR são então "apresentados" a fêmeas selvagens e desse encontro nascem os micropigs, Apenas metade da prole resultante naturalmente concebida era micropigs, mas o processo é mais eficiente do que a repetição do procedimento de clonagem completa, e evita potenciais problemas de saúde associados à clonagem. 
Em comparação com ratos ou camundongos, porcos estão mais próximos fisiológica e geneticamente dos seres humanos, tornando-os potencialmente mais úteis como um organismo modelo para ao estudo de doenças humanas. No entanto, devido às suas grandes dimensões, significa que eles custam mais para manter e requerem doses maiores de drogas quando são usados ​​para testar um medicamento experimental caro.
A BGI afirma que os micropigs já provaram ser úteis em estudos de células-tronco e da microbiota intestinal, porque o tamanho dos animais menores faz com que seja mais fácil de substituir as bactérias em suas entranhas. Eles também ajudarão nos estudos de síndrome de Laron, um tipo de nanismo causada por uma mutação no humano GHR gene.
Alguns pesquisadores acreditam que os cães ou gatos serão os próximo a sofrerem manipulação genética. Cientistas e especialistas em ética concordam que animais de estimação editados por genes não são muito diferentes dos de melhoramento convencional - o resultado é apenas alcançado mais eficientemente. Mas isso não torna a prática uma boa ideia, diz Jeantine Lunshof, uma bioeticista da Harvard Medical School, em Boston, Massachusetts, que descreve ambos os procedimentos como "um alongamento dos limites fisiológicos com o único propósito de satisfazer as idiossincráticas preferências estéticas dos seres humanos".
Fonte: Nature

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas