Até Seis Meses Para Sair do Ovo

<P> Fossil Embryo <em> Protoceratops andrewsi </ em> encontrado no deserto de Gobi (Mongólia).  / © AMNH / M.  Ellison </ p>
Pela análise de dentes embrionários de fósseis, pesquisadores norte-americanos chegaram à conclusão que os dinossauros não-avianos levavam até 6 meses para serem chocados. Este período de incubação prolongado seria mais uma explicação para a rápida extinção dos dinossauros e para a proliferação das aves atuais, dos outros répteis e dos mamíferos após o declínio dos dinossauros

Ao analisar dentes de embriões de dinossauros fossilizados, pesquisadores norte-americanos constataram que os ovos destes animais levavam de 3 a 6 meses para eclodir. Ao contrário do que se pensava, o período de incubação dos dinossauros não-avianos ( ou seja, os mais típicos) era mais parecido com o dos répteis atuais do que com o das aves. Além disso, o trabalho sugere que uma longa incubação poderia ter afetado a capacidade de dinossauros para competir com populações de aves, de outros répteis e mamíferos, que se multiplicaram rapidamente após o evento de extinção em massa que ocorreu há 65 milhões de anos.
Como as aves atuais são consideradas dinossauros vivos, os cientistas pensavam que o tempo de incubação desses animais extintos seria semelhante ao das aves, cujos ovos costumam levar entre 11 e 85 dias para serem chocados. A equipe testou essa teoria examinando dentes fossilizados de embriões de de duas espécies de dinossauros ornitísquios bem preservadas e com diferenças extremas no tamanho.
Usando técnicas avançadas de tomografia computadorizada e de microscopia de alta resolução, os cientistas conseguiram analisar o tempo de vida de duas espécies fósseis encontrada por suas equipes em locais distintos: o Protoceratops, descoberto no deserto de Gobi, na Mongólia, que tinha cerca de três meses quando morreu, e o Hypacrosaurus, achado em Alberta, no Canadá com cerca de seis meses de idade. A diferença entre os dois fósseis era gritante: enquanto o Protoceratops era pequeno e seus ovos pesavam cerca de 194 gramas, o Hypacrosaurus era muito maior, possuía "bico de pato" e seus ovos pesavam mais de 4 kg. A metodologia da pesquisa consistiu na contagem das linhas de crescimento observadas nos dentes dos fósseis, semelhante ao procedimento adotado para se determinar a idade de uma árvore a partir dos anéis de crescimento do caule.
O estudo sugere que as aves provavelmente desenvolveram taxas de incubação mais rápidas depois que eles se separaram do resto dos dinossauros. Embora os pesquisadores reconhecem que os resultados poderiam ser muito diferente se eles estivessem analisado os ovos de um dinossauro emplumado como o Velociraptor . Infelizmente, eles admitem que os estudos da embriologia de dinossauros são muito difíceis, pois encontramos bem poucos embriões de dinossauros fossilizados.
O trabalho, conduzido por cientistas da Universidade do Estado da Flórida e do Museu Americano de História Natural (ambos dos EUA) e da Universidade de Calgary (Canadá), foi publicado esta semana na revista PNAS .
Para saber mais, clique nos links acima.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

Sensibilidade e Especificidade